O ex-deputado do Partido dos Trabalhadores (PT) André Vargas prestou depoimento para o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos julgamentos em primeira instância de âmbito da Operação Lava Jato [VIDEO] em Curitiba, Paraná, nesta sexta-feira, 1° de dezembro. No entanto, segundo informações do jornal ''O Globo'', o depoimento de Vargas foi marcado por declarações e pedidos a Sérgio Moro. O petista foi condenado, em 2015, a pena de 13 anos e 10 meses de condenação, por crimes de Corrupção e lavagem de dinheiro.

Vargas recebeu vantagens ilícitas da empresa Borghi & Lowe, através de licitações federais. A propina estaria avaliada em R$ 1 milhão.

Em outras acusações está o recebimento de valores da contratação da empresa IT7 pela Caixa Econômica Federal. O petista teria influenciado o banco para fechar o contrato.

No entanto, durante depoimento a Moro, o petista foi enfático e disse: ''Quero refazer minha vida''. O ex-deputado do PT fez ainda uma declaração surpreende: ele iria se dispor em devolver toda a propina que recebeu para poder ''viver livremente'' e apagar de vez seu passado de corrupção e roubo.

Como justificativa, Vargas contou para o juiz que apenas ''fez política'' e que não houve em seu nome nenhum patrimônio descoberto. Com isso, o petista pretende retomar de ''cabeça erguida''. O irmão de Vargas, Léon Vargas, também foi condenado pela Operação Lava Jato. Ele teria uma grande aproximação com o doleiro Alberto Yousseff, se envolvendo em crimes, sendo uma espécie de ponte para que Yousseff conseguisse distribuir propinas.

André deixou claro que não sabia do envolvimento do irmão no caso, mesmo conhecendo Yousseff há mais de 20 anos.

A história de Vargas e Yousseff começou desde cedo. Ambos nasceram na cidade de Londrina, Paraná, e se conheceram bem antes de iniciar na política. André Vargas foi um dos primeiros políticos [VIDEO] a ser flagrado pelas investigações da Polícia Federal. Na época, ele foi pego em uma escuta combinando uma viagem de férias que seria paga por Alberto Yousseff.

Através da delação premiada, Yousseff contou que pagou cerca de R$ 1,62 milhão em propina para Vagas, que teria sido intermediada pelo irmão Léon. No entanto, André disse que Yousseff mentiu, e que o seu relacionamento em contratos envolvendo a Caixa aconteceram apenas em ordem política.

Nesta sexta, Vargas tentou com que o juiz federal acatasse seu pedido para refazer a vida. Mesmo já tendo negado receber propina, Vargas disse para Moro que devolverá todo o dinheiro roubado.