Desde a saída de Dilma Rousseff da Presidência da República, quando sofreu o impeachment, o PT (partido dos trabalhadores) vem perdendo forças no cenário político [VIDEO]. Em 2018 haverá eleições no cenário legislativo. Há um pavor dentro da cúpula do partido que teme encolher sua bancada, principalmente no Senado.

Atualmente, o PT está presente no Senado com nove representantes. O número é inferior a 2015, quando, à época, o partido contava com uma bancada com 13 senadores. Desses, sete parlamentares terão os mandatos encerrados no próximo ano, dois senadores apenas irão tentar a reeleição, que consideram a vitória deles como certa.

O partido luta contra a incerteza da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO]. Há grandes chances do político envolvido em escândalos ser barrado pela Justiça, o que pode afetar e muito o futuro dos parlamentares do partido.

Não há como negar que o PT sofre um desgaste fortíssimo, provocado pelos grandes escândalos de corrupção de sua cúpula. Prova disso é que, em 2014 o partido não teve forças para reeleger o ex-senador Eduardo Suplicy (SP), que agora se acomodou como vereador da capital de São Paulo. Uma figura conhecidíssima do partido, que, em outras décadas, defendia com veemência a filosofia do PT. A ex-esposa do atual vereador da cidade, Marta Suplicy, por exemplo, deixou o partido passando a fazer parte do PMDB. Sem contar também com a cassação do ex-senador Delcídio do Amaral, que chegou a ser preso pelos desdobramentos da operação Lava Jato.

Pré-candidatos nas Eleições 2018

Apenas os senadores Lindbergh Farias e Jorge Viana que confirmaram para a imprensa sua disposição de disputarem novamente uma vaga no Senado. Mas, dentro do próprio partido, há muitas discordâncias quanto a reeleição do senador Lindbergh.

Outros senadores do partido ainda não confirmaram suas candidaturas. Eles aguardam algumas alianças em seus respectivos estados, e esperam o desfecho da candidatura do ex-presidente Lula.

A presidente do PT, a Senadora Gleisi Hoffmann, também não confirmou se estará disputando a reeleição para o senado em 2018. [VIDEO] Segundo algumas pessoas próximas a senadora, é bem provável que nas próximas eleições ela dispute uma vaga na Câmara dos Deputados. Pois, em seu estado (Paraná), há uma forte rejeição ao partido dos trabalhadores (PT), que cresceu fortemente depois do impeachment.

Gleisi também é ré na operação Lava Jato, e se conseguir uma vaga na Câmara do Deputados, ficaria assegurada de seu privilégio em ser julgada com foro privilegiado.