O juiz paranaense Sérgio Moro, responsável pelo comando dos trabalhos de apuração relacionados à maior operação anticorrupção do Brasil na atualidade, a Operação Lava Jato [VIDEO], se manifestou favoravelmente à realização de uma perícia oficializada, direcionada à averiguação de toda uma documentação entregue pela maior empreiteira do país a Construtora Odebrecht. Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato a partir da primeira instância em Curitiba, capital do estado do Paraná, acolheu a uma solicitação de procuradores federais e membros do Ministério Público Federal [VIDEO], além da principal entidade de classe dos peritos federais criminais.

Com essa determinação assinalada pelo magistrado paranaense, segundo a opinião de Marcos Camargo, presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais, em se tratando da perícia oficializada autorizada por Moro, torna-se algo extremamente importante e de caráter fundamental para que se possa aprofundar nas investigações relacionadas às supostas propinas provenientes da empreiteira Odebrecht, dirigidas ao ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

O presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais, Marcos Camargo, foi ainda mais longe, ao classificar a perícia oficial autorizada pelo juiz Sérgio Moro, como de caráter considerado de todo modo essencial para garantir a integralidade da prova obtida.

Decisão do juiz Sérgio Moro preocupa defesa do ex-presidente Lula

O acolhimento por parte do juiz Sérgio Moro, em 11 de dezembro, de uma solicitação da força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato, com base na extensão do trabalho voltado para a execução de uma perícia de caráter oficial e que se encontra em curso, ao ser direcionada a um material encaminhado pela Suíça e relativo ao sistema de distribuição de propinas da empreiteira Odebrecht, embora tivesse sido motivo de menções elogiosas por parte de investigadores federais e peritos criminais, acabou acarretando enorme preocupação à defesa do ex-presidente Lula.

Vale ressaltar que os arquivos que foram extraídos do setor responsável pela contabilidade informal da maior empreiteira do Brasil, deverão ser alvos de intensa análise, já que correspondem a uma ação penal em tramitação, referente ao ex-mandatário do país, o petista Luiz Inácio Lula da Silva, réu pela prática de crimes de Corrupção e lavagem de dinheiro. O petista é acusado, ainda, de ter recebido a quantia de aproximadamente R$ 12,5 milhões oriundos de propinas, por meio da empreiteira supracitada, no mega escândalo de corrupção da Petrobras. O presidente da principal entidade de peritos criminais do país, Marcos Camargo, foi contundente, ao afirmar que a perícia oficial irá proporcionar que seja garantida a integralidade das provas, além de toda a isenção considerada necessária, em relação ao processo de busca da verdade.

Entretanto, um dos principais advogados de defesa de Lula, Cristiano Zanin Martins, afirmou que o material seria algo como prova nova e, nesse caso, deveria ser contestada a extensão da perícia.

O defensor do petista foi ainda mais longe, ao afirmar que não teria ocorrido uma autorização manifestada por parte de autoridades da Suíça, com base no uso de material que pudesse instruir o devido processo.