Mais uma vez o Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou o pedido de embargos de declaração movidos pelos advogados do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva - o pedido foi feito contra o juiz federal Sérgio Moro.

Enquanto Sérgio Moro estava participando de um evento em São Paulo nesta terça-feira (5), a Corte rejeitava os embargos de declaração que foram movidos pela defesa do ex-presidente Lula, se opondo à decisão inicial que rejeitou o pedido de suspeição no TRF (Tribunal Regional Federal).

Argumentos contra Moro

Os advogados de Lula declararam que o juiz Sérgio Moro havia perdido a imparcialidade [VIDEO].

"O recurso ('embargos de declaração') não foi rejeitado (foi acolhido), segundo os termos do relator do processo, que ficará disponível.

O recurso foi introduzido em oposição ao acórdão do Tribunal Regional Federal, que havia negado a exceção de suspeição que colocamos em pauta contra o juiz".

Segundo os advogados, os fatos que foram apresentados não mostravam dúvida de que Sérgio Moro não tenha perdido apenas a imparcialidade, que é válido destacar a legitimidade para os julgamentos que serão realizados pelo Poder Judiciário.

A defesa chegou a mencionar que o juiz Sérgio Moro chegou a ser fotografado em um evento da revista "IstoÉ" ladeado do senador Aécio Neves. Destacaram que estava junto de muitos políticos que são considerados oposição ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em momentos que demonstrava muita alegria ao lado deles.

Afirmaram que a postura do magistrado é de um comportamento mais inclinado para a acusação do que mediador do processo, chegando até ironizar argumentos da defesa.

Os advogados de Lula têm insistido em retirar o processo das mãos de Sérgio Moro e da Justiça Federal do Paraná, alegando que não possuem competência para julgar os processos que dizem respeito ao ex-presidente Lula. Porém, todos os pedidos de suspeição têm sido negados.

A luta da defesa em tirar o processo das mãos do juiz Sérgio Moro chegou até em uns dos órgãos da ONU (Organização das Nações Unidas), onde denunciaram aquilo que eles consideram uma "batalha jurídica" que tem como maestro o juiz Moro.

Decisão do TRF-4

A decisão do ministro Felix Fischer ponderou o que não houve nenhuma ação ilegal [VIDEO]na decisão do TRF-4. Ele rechaçou a solicitação da defesa para reavaliar os novos fatos contra o Moro, tendo em vista que os episódios ainda não foram analisados por instâncias inferiores.