A chefe do Ministério Público Federal (MPF), Raquel Dodge, está em Londres e fez um discurso na cidade justamente nesta última quarta-feira, 24 de janeiro, dia do julgamento do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, em segunda instância.

A procuradora foi questionada sobre se comentaria o caso de Lula, que acabou sendo condenado pela Justiça em pena ainda maior que a da primeira instância. Os três desembargadores do Tribunal Regional Federal, da 4° Região, (TRF-4) chegaram à conclusão de que Lula é culpado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. A sentença foi de 12 anos e um mês de detenção, maior que a imposta pelo juiz federal Sergio Moro, que era de 9 anos e seis meses de cadeia.

Raquel Dodge mostrou preocupação para referir algo sobre Lula e disse que não iria falar nada do ex-presidente, pois recursos do petista poderiam chegar até à corte em que ela atua. Em Londres, Dodge falou sobre a ''estabilidade da democracia brasileira''.

Logo quando o segundo voto contra Lula foi proferido, Raquel Dodge afirmou que o Brasil estaria vivendo um período com grande estabilidade institucional e democrática, desde a era da proclamação da República.

Mesmo não citando Lula, Dodge deixou claro que as instituições estariam atuando com firmeza ao combate de crimes como a corrupção, mostrando grande esforço por parte do Ministério Público [VIDEO] e da aplicação das Leis pelo Judiciário brasileiro. O evento que Dodge participou era para tratar sobre a luta da escravidão moderna no Brasil.

No discurso, Dodge poderia ter dado uma ''indireta'', ao citar que não seriam todos que podem concordar com resultados vindos das instituições, mas que a sociedade deve acreditar que nada está sendo feito de forma dissimulada ou escamoteado por parte das instituições.

O discurso de Dodge ocorreu após uma missão estabelecida pela procuradora desde o dia 22 de janeiro. Raquel Dodge chegou a ser recebida no prédio da universidade britânica King's College de Londres com uma pequena manifestação de apoiadores de Lula [VIDEO], que enfatizam que o ex-presidente seria inocente de todas as acusações e o ato mostrava-se contra ao julgamento desta quarta-feira.

Dodge fala sobre a escravidão moderna no Brasil

Depois de falar sobre a estabilidade da democracia brasileira, a procuradora começou a falar especificamente sobre a escravidão moderna no Brasil, mostrando apoio ao combate desse mal que assola o país. Dodge deixou claro que este tipo de escravidão não tem nada de acidental ou ocasional, mas seria algo grande e complexo.