Nesta última quarta-feira, 24 de janeiro, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO] sofreu uma grande derrota no Tribunal Regional Federal, da 4° Região. Lula foi condenado em 12 anos e um mês pelos desembargadores do tribunal, tendo uma pena ainda mais rígida que a proferida pelo juiz Sergio Moro em primeira instância. Com Lula se complicando, resta a sua defesa lançar recursos. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, se pronunciou sobre a situação do petista.

Marco Aurélio mostrou preocupação com a sentença dada a Lula, o ministro avaliou que caso Lula seja preso, um ''incêndio'' irá acontecer no Brasil.

Segundo o ministro, a prisão de Lula não seria uma ''ordem jurídica constitucional'' em um momento em que o país vive em ''crise''.

Em 2016, Marco Aurélio foi relator de uma ação, firmando a prisão logo após condenação em segunda instância. Porém, neste momento o ministro quer ''rever os conceitos'', mostrando ser contra a prisão de Lula. Marco Aurélio lembrou que na época a votação foi acirrada, ficando 6 a 5. O ministro ainda indagou ao dizer se aqueles 5 que perderam estariam ''tão errados'' na hora da votação. A ação que irá revisar a prisão logo após condenação em segunda instância, está liberada e o ministro quer que seja colocada em pauta o mais breve possível, pois isso definirá o destino de Lula.

O STF irá julgar nos próximos dois meses a questão e Lula que poderá ser preso em até 3 meses caso extrapolem todos os recursos que lhe faltam ser utilizados pela defesa.

Marco Aurélio também enfatizou que não acredita que Lula será preso, avaliando que a possibilidade estaria muito longe de ser alcançada.

Lula condenado

O ex-presidente foi condenado a respeito de uma ação envolvendo um triplex no litoral de São Paulo, Guarujá. Os desembargadores entenderam que o ex-presidente é o verdadeiro dono do imóvel e que a empreiteira OAS foi uma espécie de ''laranja'' de Lula. O petista [VIDEO]foi julgado pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção.

Em decisão unânime, os desembargadores Leandro Paulsen, João Pedro Gebran Neto e Victor Laus decidiram que Lula é culpado e está atrelado a diversos crimes de corrupção. Em todo o julgamento, explicações foram lançadas pelos magistrados para firmar a decisão desfavorável a Lula.

O petista já foi condenado em primeira instância por Sergio Moro, que tinha determinado 9 anos e seis meses de cadeia. No entanto, a sentença do TRF-4 fez com que a condenação de Lula passasse para 12 anos e um mês.