Juntamente com seus três filhos, o deputado federal Jair Bolsonaro [VIDEO] (PSC-RJ), provável candidato à Presidência da República em 2018, possuem ao todo 13 imóveis em regiões nobres do Rio de Janeiro, como a Barra da Tijuca, Copacabana e Urca. Em levantamento feito pelo jornal Folha de S.Paulo em cartórios do Rio de Janeiro, foi identificado que os principais imóveis comprados pela família de Bolsonaro [VIDEO]desde 2008 apresentaram preço de aquisição bem abaixo que realmente valiam na época da compra.

Em caso curioso, uma então proprietária de uma casa na Barra da Tijuca vendeu o imóvel para bolsonaro com um prejuízo de R$ 180 mil em relação ao valor que havia pago no mesmo imóvel apenas quatro meses antes.

O patrimônio de Jair Bolsonaro ainda conta com carros de valor entre R$ 45 mil e R$ 105 mil, títulos públicos no valor de R$ 1,7 milhão, além de um jet-ski.

A quantidade de bens declarados hoje em dia pelo deputado mostra uma situação bem diferente de quando ele entrou para a política em 1988. Bolsonaro era proprietário de apenas dois lotes de pequeno valor na região de Resende (RJ), com valor estimado em cerca de R$ 10 mil na cotação de hoje e um Fiat Panorama, além de uma moto.

Cerca de 10 anos atrás, em 2008, a família de Jair Bolsonaro afirmava para a Justiça Eleitoral que seu patrimônio girava em torno de R$ 1 milhão, sendo que constava apenas três imóveis na declaração, bem diferente dos 13 atuais. Entre os principais imóveis do deputado, um está na Barra da Tijuca e outro em na Avenida Lúcio Costa, duas das áreas mais valorizadas do Rio de Janeiro.

Os documentos referentes à compra dos imóveis mostram que um foi comprado pelo valor de R$ 400 mil em 2009, e outro por R$ 500 mil no ano de 2012.

Suspeita de lavagem de dinheiro

Existe a suspeita de que a casa que o deputado federal vive no Rio de Janeiro tem alguma ligação com lavagem de dinheiro. Isso segundo os critérios do Ministério da Fazenda e do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis (Cofeci). O imóvel foi comprado pela empresa Comunicativa-2003 Eventos, Promoções e Participações em 2008 pelo valor de R$ 580 mil. Porém, o imóvel foi repassado para Bolsonaro quatro meses depois por um valor 31% menor que o da aquisição.

A responsável pela empresa, Marta Maia, explicou que estava precisando se desfazer do imóvel rapidamente, para que pudesse adquirir outro, assim aceitou vendê-lo por um valor bem abaixo. Segundo a Cofeci, a fraude poderia estar numa prática comum do mercado imobiliário, que consiste em colocar nos documentos da casa um valor bem abaixo da realidade, para que diminua o montante pago em impostos. Neste caso, registra-se um valor baixo na aquisição e depois ocorre um pagamento por fora.

O deputado recebe mensalmente um salário líquido em torno de R$ 24 mil, além de cerca de R$ 5.600 referentes ao cargo de capitão de reserva do Exército.