O julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) [VIDEO] está marcado para o dia 24 de janeiro. O Partido dos Trabalhadores (PT) e todos petistas estão apreensivos e ansiosos para este dia, em que será decidido se Lula poderá ou não concorrer às Eleições 2018.

Com o intuito de responder as inquietações e questionamentos dos internautas, a defesa de Lula decidiu conceder uma entrevista ao vivo para que respondessem as perguntas realizadas.

A entrevista, que foi transmitida nas redes sociais, recebeu um grande número de questionamentos. Quem transmitiu a entrevista foi o PT, e os advogados de Lula afirmaram que estão apostando em três frentes para conseguir a absolvição do ex-presidente no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). [VIDEO]

De acordo com os advogados de Lula, a 8ª Turma do TRF-4 tem que responder aos questionamentos feitos pela defesa, que serão contrários a sentença.

São três os questionamentos que poderão ser feitos: o primeiro é direcionado à competência da Justiça Federal do Paraná em julgar o ocorrido; o segundo quanto a desaprovação, inibição enfrentadas pela defesa; e, por fim, será questionado o mérito da decisão.

A entrevista foi concedida pelos advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Martins, que por aproximadamente duas horas ficaram respondendo as perguntas feitas pelos internautas nesta quinta-feira (4).

Advogados de Lula acreditam em absolvição

Questionados sobre a possibilidade de Lula ser condenado em 2ª estância, os advogados afirmaram que preferem acreditar na absolvição do ex-presidente, e se recusaram a falar sobre a possibilidade de Lula ficar inelegível. Eles asseguraram que o único resultado do julgamento é que Lula será absolvido e que poderá disputar as eleições.

Cristiano Martins fez questão de explicar que o recurso possui três pontos chaves que terão que ser julgados de acordo com a ordem dos questionamentos.

Segundo a defesa de Lula, o caso que parou nas mãos de Moro era justificado porque envolvia supostamente recursos da Petrobras, entretanto, Moro afirmou que não havia como relacionar ambos os casos. Se caso esse questionamento for acatado pelo Tribunal, o processo poderá ser anulado, de acordo com os advogados de defesa.

Segundo a advogada Valeska Martins, outro ponto que será questionado diz respeito aos pedidos que não foram atendidos, que segundo ela foram muitos. Ela afirmou ainda que chegaram a fazer uma denúncia a ONU, pois os telefones do escritório da defesa foram grampeados. De acordo com ela, se o Tribunal levar tudo isso em consideração, poderá entender a situação como algo que prejudicou o processo.

O terceiro questionamento diz respeito ao mérito da decisão tomada por Moro em condenar Lula a nove anos e meio de prisão, pois, segundo os advogados, foi provado que o tríplex não pertencia ao ex-presidente.