Nessa quarta-feira (3), a Defesa do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) surpreendeu a todos ao adotar uma nova estratégia. Ela consiste em dar abertura para que o petista seja ouvido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região [VIDEO] (TRF4), em Porto Alegre (RS), antes do julgamento do inquérito que gira em torno da aquisição do tríplex.

O julgamento de Lula está marcado para o próximo dia 24. Essa pode ser considerada sua última estratégia da defesa, ao fazer com que o ex-presidente seja ouvido pelo tribunal antes do julgamento. Ao longo desse artigo você poderá compreender melhor essa estratégia e o que acontecerá caso o ex-presidente seja julgado.

O que há por trás do pedido dos advogados de defesa do ex-presidente: compreenda o motivo

A estratégia de defesa nada mais é do que uma reiteração de uma solicitação realizada em setembro passado. O pedido tem como base o que os advogados de Lula consideram como a má conduta do juiz que dirigiu as perguntas durante o interrogatório feito ao petista, que consideram “estranhas ao processo”.

Além disso, para os advogados de Lula, ficou explícito que o ex-presidente não pôde exercer livremente o direito a autodefesa. Tais características deram abertura a essa tentativa dos advogados para que o ex-presidente seja ouvido. De acordo com os fundamentos da solicitação, o petista não teve oportunidade para se pronunciar e ser devidamente ouvido mediante um órgão imparcial. Esse argumento, se aceito, pode comprometer grande parte do processo contra Lula.

O julgamento do ex-presidente Lula e as consequências para o seu futuro político

O ex-presidente informou aos dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT) que, a partir do dia 22 de janeiro, irá se ausentar de seus compromissos políticos [VIDEO]. Lula pretende acompanhar seu julgamento no Rio Grande do Sul, com data marcada para o dia 24 de janeiro, no TRF da 4ª Região.

Esses dias serão cruciais para o petista, sobretudo no que se refere ao seu futuro Político no país. Ele já foi condenado a quase 10 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Tais acusações surgiram no caso do tríplex localizado no litoral paulista.

Agora, tudo irá depender do resultado da decisão tomada pelo TRF da 4ª Região. Afinal, será a partir dela que o ex-presidente pode ser impedido ou não de participar de qualquer tipo de pleito eleitoral, seja ele para presidente ou qualquer outro cargo político.

O sucesso ou fracasso da defesa: conheça as possibilidades de reeleição do ex-presidente

Em caso de sucesso da defesa do ex-presidente, Lula tem grandes chances de conseguir a reeleição.

Isso é o que apontam as principais pesquisas nacionais, entre elas a o Datafolha e do Ibope. Essa é a grande esperança do PT para conseguir eleger um candidato à Presidência da República.

Esse contexto é reafirmado devido ao fato do partido não possuir nenhum outro nome para a candidatura, caso Lula seja impedido de concorrer à Presidência. Apesar de poder recorrer à decisão judicial, o ex-presidente, além de ser impedido de candidatar-se, também poderá ser preso.