Com a nomeação de Cristiane Brasil [VIDEO] (PTB-RJ), filha de Roberto Jefferson, para o Ministério do Trabalho, a vaga de deputado federal seria preenchida por Nelson Nahim (PSD-RJ), irmão de Anthony Garotinho, preso em 2016 sob suspeita de participação em uma rede de exploração sexual de adolescentes, em um caso conhecido como "Meninas de Guarus".

A própria Cristiane Brasil tem, em seu histórico, uma condenação - ironicamente - na Justiça trabalhista por não pagar um funcionário, que trabalhava cerca de 15 horas por dia como motorista, tendo de pagar R$ 60 mil em dívidas. Por conta disso, uma ação popular foi movida contra a deputada e, nesta segunda-feira, dia 8, a Justiça Federal do Rio de Janeiro decidiu pela suspensão da posse de Cristiane como ministra do Trabalho em caráter liminar.

No caso de posse e consequente licença do cargo de deputada federal [VIDEO], a vaga na Câmara seria ocupada por Nelson Nahim, ex-presidente da Câmara dos Vereadores de Campos dos Goytacazes, cidade do norte fluminense, e um dos condenados por participação em um grande esquema de exploração sexual. A operação prendeu 14 suspeitos, e Nahim foi condenado em primeira instância a 12 anos de prisão por exploração sexual de adolescentes e coação no curso do processo. Preso em junho de 2016, acabou sendo libertado em outubro do mesmo ano, após concessão de habeas corpus pelo ministro Ricardo Lewandowsky.

As investigações do caso que ficou conhecido como "Meninas de Guarus" começaram em 2009 e revelaram um grupo organizado que mantinha garotas entre 8 e 17 anos de idade em uma casa fechada e sob constante vigília armada na região de Guarus, distrito de Campos dos Goytacazes.

As crianças e adolescentes eram obrigadas a usar drogas e chegavam a fazer 30 programas por dia, levadas de carro a motéis ou até a hotéis onde atendiam aos clientes.

Ao todo, 14 pessoas foram condenadas. Além de Nahim, estão entre elas outros três ex-vereadores de Campos. A denúncia do Ministério Público Estadual ainda mantém uma acusação de estupro de vulnerável, por obrigar adolescentes a manter relações sexuais em seu sítio particular, localizado em Caxeta. Há relatos de vítimas de que, durante o ato sexual com Nahim, eram submetidas ainda a agressões.

Como o processo ainda corre em segredo de Justiça, se o suplente de Cristiane Brasil assumisse como deputado federal passaria a ter foro privilegiado e seu caso seria transferido para o Supremo Tribunal Federal, o que provavelmente atrasaria as tramitações penais.

A nomeação da filha de Roberto Jefferson para o Ministério do Trabalho e a possível atuação de Nelson Nahim como deputado federal representam de forma sintomática o que a política brasileira se tornou: uma maneira bastante eficiente de proteger criminosos condenados e permitir que mantenham seus privilégios, não importando a gravidade de seus crimes.