A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO], ministra Cármen Lúcia, responsável pela condução da mais alta Corte de Justiça do Poder Judiciário brasileiro, se manifestou em relação a inquéritos que se encontram sob tramitação na Suprema Corte [VIDEO], envolvendo o ex-ministro petista da Casa Civil durante a gestão petista de Lula, José Dirceu e também, inquérito que envolve o filho do petista, deputado federal Zeca Dirceu, do PT, do estado do Paraná.

A presidente do Supremo decidiu que fossem concedidos mais trinta dias para que a Polícia Federal possa concluir as investigações no âmbito da força-tarefa da Operação Lava Jato, em que o ex-ministro petista teria recebido a quantia de R$ 350 mil para campanhas aliadas do PT e mais R$ 250 mil para a campanha eleitoral de Zeca Dirceu (PT-PR).

Vale ressaltar que a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, é a magistrada que tem emitido decisões relacionadas a maior operação anticorrupção na história do país, a Lava Jato, durante o período de recesso do Poder judiciário, já que o relator dos processos inerentes à Operação Lava Jato, na Suprema Corte, é o ministro Luiz Edson Fachin. O recesso dos magistrados do STF termina em meados de fevereiro e até lá as decisões consideradas de caráter urgente, ficam nas mãos da ministra Cármen Lúcia.

José Dirceu direciona mensagem a militantes petistas

Apesar do ex-ministro José Dirceu se encontrar sob prisão domiciliar, cujos votos de alguns ministros do Supremo foram fundamentais para que o petista saísse do regime de prisão fechada, conforme se encontrava anteriormente devido à decisão proferida pelo juiz Sérgio Moro, em um vídeo repercutido intensamente nas redes sociais, Dirceu conclama a militantes petistas que estejam presentes no dia 24 de janeiro próximo, quando se dará em segunda instância, o julgamento do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

Três desembargadores federais do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4), de Porto Alegre, no estado do Rio Grande do Sul, poderão confirmar a sentença de condenação dada por Moro ao ex-presidente, ou mesmo, absolvê-lo.

Com a possibilidade de que o ex-presidente Lula acabe sendo condenado, se tornando inelegível e ainda, até mesmo, tendo sua prisão decretada, Dirceu sugeriu nas redes sociais em um vídeo publicado, que ocorra "desobediência civil" às leis no país, de modo que se confronte uma eventual decisão judicial contrária às pretensões do ex-presidente Lula. Vale lembrar que o ex-ministro petista foi condenado a mais de 30 anos de prisão em segunda instância, inclusive, com o uso de tornozeleira eletrônica, embora tenha ficado pouco mais de dois anos preso, já que por decisão dos ministros do STF, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, o ex-ministro do Governo Lula, poderia ficar em regime de prisão domiciliar.