O procurador da República e coordenador da força-tarefa de Curitiba, Carlos Fernando dos Santos Lima, foi alvo de representação da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no ano passado por postagens, segundo a defesa do petista, caluniosas contra Lula.

O procurador é conhecido por ser bem crítico contra o governo de Michel Temer e contra o ex-presidente Lula. Ele fala tudo que pensa e não se intimida com nada.

Diante da apelação da defesa do petista, a Corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público Federal (CNMP) arquivou a reclamação da defesa, mas exigiu que o procurador não mais se pronunciasse sobre políticos, partidos e pessoas investigadas na Operação Lava Jato [VIDEO] através das redes sociais.

A Corregedoria entende que o procurador tem muita visibilidade e deve manter a discrição dos fatos judiciais.

Carlos Fernando não tem "papas na língua" e já proferiu vários ataques contra os corruptos [VIDEO]. Em junho do ano passado, ele chamou o presidente Temer de leviano e calunioso quando este insinuou ter recebido valores por parte da Procuradoria-Geral da República (PGR). De acordo com Lima, a tática do peemedebista é de acusar o acusador. Uma das pessoas que mais faz esse tipo de coisa é o ex-presidente Lula.

Lima também teceu críticas contra o ex-presidente José Sarney que, segundo o procurador, foi o responsável em causar um desastre no governo de Fernando Collor.

A página do membro da força-tarefa possui 20 mil seguidores e suas postagens têm grande repercussão.

Ele ainda não foi notificado pela Corregedoria.

Resta saber se ele conseguirá guardar informações importantes que devem ser levadas à sociedade em relação à Corrupção que assola o país. Neste ano de Eleições, estaria surgindo algum tipo de "Lei do Silêncio" contra corruptos?

Desabafos

Além de Carlos Fernando, outro procurador que usa as redes sociais para expôr suas revoltas é Deltan Dallagnol. No ano passado, ele escreveu um post dizendo que o povo brasileiro não aguenta mais tanta podridão na política brasileira.

Dallagnol criticou o Congresso Nacional dizendo que os parlamentares não aprovam medidas importantes para combater a corrupção.

De acordo com o procurador, a melhor forma do povo se manifestar é através das urnas nas Eleições deste ano. "Não roubarão nosso país de nós. Lutaremos por ele até o fim", escreveu.

Mulher de Moro

Em sua mensagem de fim de ano, a esposa do juiz federal Sérgio Moro também pediu para que todos os brasileiros não votassem em réus condenados pela Justiça. Ela pediu muita atenção na hora do voto e para que ninguém aceite favores e presentes.