A corrupção deliberada de alguns políticos é sem nenhuma sombra de dúvida um dos maiores problemas do Brasil. Todos os dias é noticiado um novo escândalo de algum funcionário público, político ou empresário que praticou atos atentando contra o erário público.

Ainda que o Brasil seja um país com tamanha desigualdade, algumas pessoas acabam não sentindo nenhum tipo de remorso em tirar de outras que tanto precisam para coisas básicas do dia a dia, como saúde e educação. Como não é novidade, nesta sexta-feira (19 de janeiro) o país foi novamente surpreendido com uma anuncio extremamente polêmico.

O ex-presidente do Brasil durante os anos de 1990 a 1992 e atualmente ocupando o cargo de senador da República pelos estado de Alagoas, Fernando Collor de Mello (PTC), realizou um anúncio onde se lança como pré-candidato à Presidência da República neste ano de 2018 [VIDEO].

O manifesto foi realizado nesta tarde em entrevista exclusiva à rádio 96 FM, da cidade de Arapiraca (130 km de Maceió). "Tenho uma vantagem em relação a alguns candidatos porque já presidi o país. Meu partido todos conhecem, sabem o modo como eu penso e ajo para atingir os objetivos que a população deseja para a melhoria de sua qualidade de vida", explicou o agora pré-candidato à Presidência.

A declaração da candidatura, contudo, foi realizado em momento anterior, ao fim da manhã dessa sexta-feira, após a instalação do diretório regional do PTC na cidade de alagoana de Arapiraca. Fernando Collor anunciou a um acanhado grupo que o escutava de que já teria tomado a decisão de pleitear a Presidência do país. "Eu digo a vocês que esse é momento dos mais especiais da minha vida pessoal e como homem público.

Porque hoje a minha decisão foi tomada: sou, sim, pré-candidato à Presidência. Obrigado e vamos à vitória", disse, em rápida declaração.

Collor de Mello, que já foi presidente do país no início dos anos 1990 [VIDEO], tem um título curioso que não faz orgulho a sua ficha. Ele foi o primeiro presidente da Nação a sofrer um processo de impeachment. Na época, foi substituído por seu vice, o presidente Itamar Franco.

Apontado na Lava Jato

É importante lembrar que, em agosto do ano passado a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) acolheu denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Fernando Collor pelos delitos de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Com a deliberação, Collor virou réu nas investigações da Operação Lava Jato.