Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), é hostilizado por duas brasileiras em Lisboa, Portugal.

O ministro vestia roupas comuns, agasalho de frio, calça jeans, tênis e uma bolsa de uma alça só. Que é usada de forma transversal sobre o ombro.

As brasileiras, na ocasião, usaram palavras fortes para expressar o seu descontentamento com algumas das decisões preferidas pelo ministro- que no entendimento delas, são decisões que prejudicaram a Justiça brasileira. Veja na íntegra o que disseram as manifestantes ao ministro:

“O senhor é de uma injustiça, imensurável.Inclusive, o senhor deve estar querendo se disfarçar aqui, né ? Andando como um dos comuns, dos mortais.

Mas a gente viu o senhor de longe. O senhor não tem vergonha na cara ? Do que o senhor faz com o país ? A sua cara ninguém consegue esquecer. Nós pedimos a Deus que leve o senhor pro inferno”.

Não é de hoje que as decisões do ministro Gilmar Mendes são alvo de crítica de uma parcela da população. Veja algumas das decisões que não agradaram a opinião pública:

1- Gilmar Mendes concedeu Habeas Corpus ao médico Roger Abdelmassih [VIDEO], condenado a 278 anos de prisão por estuprar 37 mulheres e violentar outras.

2- Gilmar Mendes concedeu prisão domiciliar à ex- primeira dama do Rio de Janeiro, esposa de Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo. Condenada a 18 anos de prisão por lavagem de dinheiro e organização criminosa.

3- Atendendo aos pedidos do Partido dos Trabalhadores (PT) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o ministro decidiu proibir, em caráter provisório, a condução coercitiva de qualquer investigado no território nacional.

4- Gilmar Mendes deu um voto decisivo a favor do arquivamento da denúncia contra os deputados Arthur Lira (PP-AL), José Guimarães (PT-CE), Eduardo da Fonte (PP-PE) e do senador Benedito de Lira (PP-AL). Feita pela Procuradoria Geral da República (PGR).

5- Suspendeu inquérito, provisoriamente, contra Beto Richa, governador do Paraná (PR). Que respondia por corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro.

6- Votou a favor da revogação da prisão preventiva do empresário Marco Antônio de Luca. Preso pela Polícia Federal em uma das fases da Operação Java Jato.

Recentemente, um outro manifesto foi feito contra o ministro. Mas esse, de forma mais descontraída, em ritmo de música. É a marchinha de carnaval, do compositor João Roberto Kelly, que tem como refrão os seguintes dizeres:

"Alô, Alô, Gilmar

Eu tô em cana

Vem me soltar"