O ex-presidente da República e réu em processos pela Operação Lava Jato Luiz Inácio Lula da Silva participou de um evento no Rio de Janeiro, na noite desta terça-feira, 16 de janeiro. Ele está encrencado na Justiça deste que foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz federal Sergio Moro. Agora, o petista aguarda a decisão em segunda instância dos desembargadores do Tribunal Regional Federal, da 4° região [VIDEO], que irão decidir o futuro de Lula na política.

Durante o discurso, Lula fez um grave ataque ao presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores. O petista enfatizou que Thompson seria bisneto de um coronel que foi o responsável por ordenar a invasão de Canudos, na Bahia.

Lula enfatizou que o caso teria acontecido no final do século 19 e resultou na morte de um líder do local, chamado Antônio Conselheiro.

Lula foi enfático, disse que o presidente do TRF-4 estaria achando que ele (Lula) fosse algum cidadão de Canudos. O petista deu a referência com o objetivo de dizer que ''desejam sua morte''.

No entanto, as afirmações de Lula se opõem ao que está escrito no site do TRF-4. O portal deixa claro que Thompson é trineto do coronel Tomás Thompson Flores, importante nome durante a Guerra de Canudos e comandante do Exército na época em que tropas foram enviadas para a Bahia.

Lula resolveu atacar Thompson após dizer que não iria falar nada referente aos juízes desembargadores Leandro Paulsen, Victor Laus e João Pedro Gebran Neto, os responsáveis por dar o voto final de Lula.

O ex-presidente disse que não conhece os desembargadores para dizer algo sobre eles.

Lula também mostrou que não se esquece da atuação de Sergio Moro na Lava Jato [VIDEO]. O petista afirmou que o juiz federal, que ganhou grande notoriedade nas investigações, deveria ser ''exonerado''. Para Lula, Moro o condenou injustamente juntamente com membros do Ministério Público Federal (MPF).

As críticas do réu não pararam por aí. Foi a hora da elite brasileira e a imprensa serem atacadas por terem sido, segundo Lula, as responsáveis por tirar Dilma Rousseff do poder. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) também foi citado no discurso do petista. Lula afirmou que Bolsonaro vai agora comer o pão que o diabo amassou, pois a mídia vai perseguir o deputado, fazendo o mesmo que tentaram fazer contra ele.

O julgamento do petista ocorrerá no próximo dia 24 de janeiro e um grande clima de tensão ocorre até a divulgação do resultado final dos desembargadores.