O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO] pode acabar atrás das grades nos próximos meses [VIDEO], caso seus recursos em segunda instância sejam negados. Porém, essa não seria a primeira vez que o petista teria essa experiência. No dia 19 de abril de 1980, Lula foi preso em sua residência, em São Bernardo do Campo, com base na Lei de Segurança Nacional, durante a Ditadura Militar, e levado ao Departamento de Ordem Política e Social (Dops).

Lula liderava uma greve junto ao sindicato dos metalúrgicos da região. O regime militar resolveu intervir no sindicato e levou Lula e mais 14 pessoas presas. Com a ajuda de frei Betto, amigo pessoal do ex-presidente desde aquela época, a informação de sua prisão foi noticiada aos quatro cantos.

"No rádio eu escutei a notícia, falei, porra, tô salvo", disse o ex-presidente durante a Comissão da Verdade, em 2014.

A repercussão da prisão de Lula foi grande à época. Dom Paulo chegou a celebrar uma missa na Igreja da Sé, em São Paulo, em homenagem ao petista, segundo a Folha de S. Paulo.

Com a má repercussão da prisão, os poderes jogavam a culpa um no outro. O governo federal do regime militar acusava Paulo Maluf, governador de São Paulo naquele período. Já o político, atualmente preso pela Lava Jato, negava a acusação. Anos depois, documentos militares apareceram e foram divulgados provando que o Exército havia planejado e sido o responsável pela prisão.

Preso "vip"

O ex-presidente Lula ficou preso durante 31 dias. Um dos outros 14 presos com Lula, Djalma Bom, que posteriormente se tornaria deputado federal, afirmou à Folha de S.

Paulo que eles não passaram por tortura física e que nos primeiros oito dias estavam proibidos de receber visitas.

Ao comentar sobre sua estadia na prisão, durante fala na Comissão da Verdade, o petista afirmou que esteve em uma "prisão VIP". Segundo ele, Romeu Tuma, chefe do Dops, que no futuro se tornaria senador, lhe tratou "dignamente". Para ilustrar a situação, Lula chegou a afirmar que pediu uma televisão para poder assistir a uma partida entre Corinthians, seu time do coração, e Botafogo e foi atendido.

Djalma Bom contou à Folha de S. Paulo que Lula ficou sabendo da morte da mãe dentro da cela enquanto estava preso. O ex-deputado relatou que Luiz Inácio se debruçou sobre um colchão rasgado e chorou, em certo momento. Também disse que os sindicalistas presos fizeram greve de fome durante algumas dias, mas ver a reação de Lula à morte da mãe foi bem pior do que a dor de se recusar a comer.

Lula e os companheiros presos foram soltos após o fim da greve, em maio de 1980. O petista ainda foi condenado pela Justiça Militar por incitação à desordem, mas teve a sentença anulada posteriormente.

Segundo a Folha de S. Paulo, após chegar em casa depois dos 31 dias encarcerado, Lula afirmou que só foi preso porque "defendi o interesse dos trabalhadores".

2018

O ex-presidente já foi condenado em primeira e segunda instância pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No primeiro momento, a sentença era de nove anos e seis meses, porém, na decisão colegiada, foi reavaliada para 12 anos e um mês.

Agora, o ex-presidente espera que a 8ª Turma do Tribunal Regional da 4ª Região julgue todos os seus recursos para enfim saber se poderá ser preso ou não.

O ex-presidente ainda tem duas formas de tentar evitar a prisão:

Habeas Corpus concedido por instâncias superiores - A defesa pode entrar com o pedido junto ao STF e STJ, solicitando o habeas corpus preventivo, até a apreciação final

Entendimento do Supremo Tribunal Federal - Segundo a atual jurisprudência, um condenado pode ser preso após o julgamento em segunda instância. Tramitam na Suprema Corte duas ações que pretendem discutir esse entendimento.