Faltam menos de 12 horas para o início do julgamento mais esperado dos últimos tempos em território brasileiro. O do ex-presidente e fundador do PT, Luis Inácio Lula da Silva [VIDEO].

Entre diversas acusações, o que será julgado amanhã, dia 24/01/2018, será o famoso caso do triplex no Guarujá. Caso este que, de tão famoso, dispensa maiores apresentações. O então condenado pelo juiz federal Sérgio Moro, nega veementemente ser o dono do imóvel.

Opiniões à parte, a dúvida que paira na cabeça de defensores e acusadores é: É possível que Lula seja preso amanhã? E a resposta é não. Depois do julgamento ainda cabem recursos. Tanto por parte da defesa, quanto por parte da promotoria.

Pelo estilo do corpo de advogados do petista, pode-se concluir que, muito provavelmente, todos os recursos cabíveis serão apresentados. Por outro lado, pelo estilo da força tarefa da lava jato [VIDEO], não deve ser diferente. É muito provável que esta disputa judicial chegue até ao STJ e ao STF.

Caso chegue ao STF, não é difícil deduzir que se inicie um novo ciclo de manifestações do povo que veste verde e amarelo. Pois, como é do conhecimento de todos, o Supremo Tribunal Federal caiu em profundo descrédito frente a opinião pública. Verdade esta que é facilmente comprovada por qualquer pessoa que se disponha a fazer uma simples pesquisa na internet ou, até mesmo, em qualquer esquina. Vide os recentes ataques verbais à figura do ministro Gilmar Mendes, que também é presidente do TSE. Ataques esses que aparecem de todo lado.

Tanto dos que se dizem de esquerda, quanto dos que se dizem de direita. Mas se isso realmente vai ocorrer, só o tempo dirá.

Mas e quanto a candidatura de 2018?

Em caso de condenação em segunda instância, o condenado poderá pedir uma liminar ao Supremo Tribunal para que este conceda o direito a ser candidato. Sabemos que pelas recentes medidas tomadas pelo órgão em questão, essa liminar não parece algo tão impossível assim. Por mais bizarro que pareça.

O fato é que nesta quarta-feira, possivelmente, será escrito um novo capítulo da história deste jovem país. Onde jamais um ex-chefe do poder executivo tinha sido condenado por crime comum. Um capítulo onde até os poderosos amargam a dor de serem julgados, não só por instâncias judiciais, mas principalmente pela opinião pública. Porque é desta, por mais incrível que pareça, que emana a verdadeira força de uma nação.

Como a constituição federal de 1988 declara: Todo poder emana do povo e em seu nome é exercido.

Defensores ou acusadores, uma coisa é certa: Os donos do poder (o povo), quer que seja feita a justiça e que a verdade prevaleça.