Luiz Inácio Lula [VIDEO]da Silva foi o presidente do Brasil durante dois mandatos. Nessa última quarta-feira (24), o ex-presidente foi condenado pelo TRF-4 a doze anos e um mês de prisão. Vale lembrar, que o mesmo já tinha sido condenado a nove anos e seis meses, mas recorreu a um recurso onde teve que ser julgado novamente.

Nesse sábado (27) saiu a notícia que o juiz Sérgio Moro julgará a segunda ação na Lava-Jato contra o petista. No processo, ele é acusado de receber milhões da Odebrecht, lavagem de dinheiro e o caso do tríplex.

A defesa de Lula afirmou que o petista é inocente e já provou que os recibos do tríplex não pertencem a ele, mas os desembargadores alegaram que os recibos são falsos e que isso tudo foi apenas para fingir que o aluguel não foi pago.

Ademais, a Polícia Federal recolheu o passaporte de Lula, pois, segundo decisão judicial, o mesmo não poderá viajar até que haja uma decisão final.

Caso tríplex

Segundo Marcelo Odebrecht, o imóvel seria destinado ao instituto Lula como uma doação para caridade. Como em outros casos, Lula chegou a visitar o terreno, mas seu instituto não foi transferido para o imóvel. Com isso, suspeitas surgiram.

A defesa de Lula afirmou que realmente o ex-presidente visitou o prédio, mas ele não foi escolhido por ser mal localizado.

Para o desembargador Victor Laus, os crimes cometidos por Lula não foram quaisquer desvios, mas sim, crimes hediondos. Concluiu que qualquer aspecto pode ser bastante analisado, relatando durante dez horas as provas contra o ex-presidente.

Outro processo contra Lula é sobre o caso do sítio, em Atibaia, considerado por procuradores a prova mais clara que há contra Lula.

O ex-presidente também visitou o terreno quando ainda era presidente.

Com a sentença dada nessa última quarta-feira, os aliados de Lula falam que é improvável um acordo nas eleições. Todavia, Lula já falou que a condenação não impede que ele se candidate, e ainda fala que quando for presidente, fará vista grossa contra os meios de comunicação e todos os noticiários, a qual ele denominou como ''regulação de mídia''.

Entretanto, mesmo com todos seus discursos de que vai concorrer em 2018, vale lembrar que, se a prisão de Lula for decretada [VIDEO], ele não poderá concorrer. Com isso, as pesquisas mudam e outros políticos poderão tomar posse, como é o caso do deputado Jair Bolsonaro ou ainda Fernando Collor de Mello, que anunciou sua pré-candidatura ao cargo nas últimas semanas.