Um dos ministros integrantes da mais alta Corte do Poder Judiciário brasileiro, Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federa (STF) [VIDEO], se manifestou a respeito do processo que envolve a condenação do ex-presidente da República [VIDEO], Luiz Inácio Lula da Silva. O ex-mandatário petista foi condenado a quase dez anos de prisão em regime que se caracteriza por ser fechado, de acordo com a sentença apresentada na primeira instância de julgamento, sob o comando do juiz Sérgio Moro, que conduz a décima terceira Vara Criminal Federal da Justiça de Curitiba, no Paraná.

Sérgio Moro é o magistrado responsável pelas investigações que são aptas para julgamento em primeiro grau, em se tratando da força-tarefa de apurações de crimes de "colarinho branco", no âmbito da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que já é considerada a maior operação anticorrupção já implementada em toda a história contemporânea brasileira e vista como uma das principais operações em curso, atualmente, no mundo.

O ex-presidente Lula aguarda, no entanto, para o próximo dia 24 de janeiro, um "desfecho", e relação ao seu julgamento no Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4), de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, quando três desembargadores federais do Tribunal da segunda instância, deverão confirmar, modificar ou rejeitar a sentença dada por Moro ao petista, no processo referente à aquisição do apartamento de luxo tríplex, localizado na cidade de Guarujá, no litoral sul paulista.

Ministro Marco Aurélio, do Supremo, resolve falar

O ministro Marco Aurélio Mello, membro integrante do colegiado da Suprema Corte brasileira, resolveu se expressar sobre o julgamento de Lula, às vésperas da data que o petista poderá ter o seu futuro definido. Se for condenado, Lula poderá se tornar inelegível, além de correr um sério risco de ter sua prisão decretada, conforme sentenciado pelo juiz Sérgio Moro.

Entretanto, o ministro Marco Aurélio afirmou enfaticamente, durante uma entrevista concedida recentemente à imprensa, que as instituições estão em perfeito funcionamento no Brasil e que "a lei vale para todos", em alusão à situação do ex-presidente Lula. O magistrado da mais alta Corte brasileira foi ainda mais longe, ao destacar que "todos nós devemos conta à Justiça", embora não quisesse se estender ainda mais, em relação ao julgamento do ex-mandatário petista, que se dará no Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4).

O ministro fez ainda um forte "alerta" em relação ao cumprimento da lei sob a Constituição Federal, ao afirmar que "a importância se trata da atuação da ordem jurídica e também, em se tratando das cobranças quanto a eventuais desvios de conduta". Marco Aurélio foi contundente, ao relatar que espera que a Constituição Federal deva prevalecer no Brasil.