O ministro da Saúde, Ricardo Barros, tomou uma atitude inesperada nesta quinta-feira (04). Ele anunciou que deixará o cargo de ministro da saúde para concorrer as Eleições de 2018. Entretanto, ele não determinou realmente qual será a data que deixará o ministério.

O anúncio da renúncia do cargo e da candidatura foi feito durante uma entrevista coletiva realizada no ministério. Até o dia 7 de abril, os ministros que desejam concorrer às eleições devem se manifestar e se desligarem do governo. Após essa data, não será possível que ministros disputem a eleição.

Ricardo Barros deseja disputar a vaga de deputado federal, e garantiu que se desligará do governo, só não confirmou quando será que tomará tal atitude.

Recentemente, outros ministros também tomaram a atitude de Barros e renunciaram aos cargos para disputar as eleições em outubro deste ano. Dentre esses ministros encontram-se Ronaldo Nogueira (PTB-RS) que era o ministro do Trabalho, e Marcos Pereira (PRB) que era ministro da Indústria e Comércio Exterior. É provável que outros ministros ligados ao governo também tomem a atitude de se desligarem do governo para disputar as eleições.

Carreira de Ricardo Barros e controvérsias

Ricardo Barros já foi deputado federal e também já foi prefeito da cidade de Maringá, no estado de Paraná. Barros exerceu quatro mandatos como deputado federal nesta cidade e no ano de 2010 candidatou-se ao Senado recebendo mais de dois milhões de votos. Além de ser o atual ministro da saúde, ele também é o vice-presidente nacional do PP e também presidente do Conselho Nacional dos Secretários de Desenvolvimento Econômico.

Quem nomeou Barros como ministro da saúde foi o atual presidente Michel Temer, no dia 12 de maio de 2016.

Apesar de Barros ter tido um histórico de uma carreira política estruturada, houve algumas controvérsias, na qual ele é investigado por ter supostamente cometido fraude em licitação destinada à publicidade de candidatura a prefeito em Maringá, durante o segundo mandato de Silvio Barros, que é seu irmão, realizada em 2011.

Além disso, Barros se envolveu em algumas polêmicas. Dentre elas, destaca-se a polêmica que diz respeito aos cortes ligados a Justiça do Trabalho, na qual ele justificou afirmando que a intenção de realizar os cortes era para estimular reflexões a respeito da flexibilidade do Direito do Trabalho.

Barros também já causou polêmica [VIDEO] com algumas declarações feitas por ele enquanto ministro da saúde. uma das declarações ele chegou a afirmar que algumas pessoas que usam o Sistema único de Saúde (SUS) usam os postos de saúde apresentando efeitos psicossomáticos, que "inventam" e "criam" sintomas de doenças.