Neste mês de janeiro de 2018, a imprensa, a sociedade e políticos aguardam ansiosamente o julgamento do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no próximo dia 24. Lula será julgado em segunda instância pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4° Região, em Porto Alegre (RS), a respeito da sentença proferida pelo juiz federal Sérgio Moro em âmbito das investigações da Operação Lava Jato em Curitiba, Paraná.

O ex-presidente é acusado de crimes [VIDEO]de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá (SP) e foi condenado por Moro a 9 anos e seis meses de cadeia. Lula também se tornou réu em vários outros processos na Justiça.

No momento, resta esperar a decisão dos desembargadores para saber se Lula irá, ou não, para a prisão no caso do tríplex.

O ministro Luiz Fux, que assumirá neste ano de 2018 a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), comentou antecipadamente a situação de Lula após a decisão do TRF-4. O ex-presidente sempre enfatiza, durante caravanas e passeatas do PT, que seu maior desejo é concorrer às Eleições para a Presidência da República e afirma que irá se tornar novamente presidente, deixando claro que ninguém tirará a oportunidade de se candidatar.

No entanto, o ministro argumentou que as possibilidades de Lula de se tornar um dos candidatos ao lado de nomes como o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e outros, seriam remotas. Fux explicou que, se um candidato que já é alvo de denúncias assumir um cargo público na política, isso não teria sentido.

Caso Lula consiga se eleger, ele poderá até assumir o cargo, mas ocorrerá o risco de ser afastado rapidamente. Ao dar a afirmação, os simpatizantes do Partido dos Trabalhadores tiveram uma reação. Vale lembrar que a ex-presidente petista Dilma Rousseff foi afastada após pedido de impeachment.

Uma outra barreira que Lula iria enfrentar são com os ministros do TSE. Caso seja condenado, Lula deverá se voltar ao Tribunal Eleitoral para garantir sua candidatura. No entanto, os juízes que compõem o tribunal teriam dado vários elogios a atuação do juiz Sérgio Moro, o responsável pela sentença de Lula [VIDEO]. Ao que tudo indica, os juízes são compatíveis com as decisões de Moro e acreditam no trabalho do juiz de Curitiba, que ganhou grande notoriedade por conta das investigações da Lava Jato.

Apenas um magistrado do TSE estaria 'dando pra trás, questionando e atribuindo críticas a sentença de Moro, estando até em dúvida sobre a capacidade do juiz federal.