A Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul, juntamente com a Brigada Militar da cidade, pediu o fechamento de diversos pontos no entorno do Tribunal Regional Federal [VIDEO] da 4° região em Porto Alegre, local onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) será julgado pelos desembargadores por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Prédios públicos do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, que incluem o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Receita Federal, Serpro (Serviço Federal de Processamento de dados) e o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), estarão de portas fechadas.

O objetivo é manter o máximo de segurança no local, devido a promessas de confrontos entre movimentos como a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e MST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra) e manifestantes anti-Lula.

O julgamento do ex-presidente está causando grande alvoroço. A esquerda brasileira prometeu manifestações em frente ao TRF-4 e também na Avenida Paulista, em São Paulo. Até mesmo ameaças os desembargadores que irão julgar Lula já receberam, e tudo indica que a segurança deve ser plena no local.

Além do fechamento dos prédios no entorno, o edifício do tribunal também contará com a presença apenas de servidores que tem algum vínculo com o caso de Lula. O horário de expediente do dia 23 será de apenas meio período e no dia 24 se preocuparão somente com o caso do petista.

Grande esquema de segurança

A Polícia Militar e o Exército já estão de prontidão no local para conter possíveis aglomerações.

O secretário estadual de Segurança Pública, Cezar Schirmer, afirmou que toda manifestação democrática será aceita, mas incidentes considerados violentos e que vão contra a liberdade de manifestação deverão ser rapidamente contidos.

O forte esquema de segurança montado conta com órgãos como o GGI (Grupo de Gestão Integrada), agregando a Polícia Federal, Polícia Civil, Brigada Militar e Polícia Rodoviária. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) também terá participação no ato. Além do mais, o Exército brasileiro, [VIDEO] Marinha, Aeronáutica, Bombeiros e a Defesa Civil também estarão prontos para o julgamento de Lula.

O que causa grande preocupação ao secretário de Segurança é com a chegada dos manifestantes na cidade. A união do MST e CUT em possível confronto com o Movimento Brasil Livre (MBL) também poderá chamar grande atenção. Em São Paulo, manifestantes brigam por um lugar na Avenida Paulista.

Caso Lula seja condenado, ele poderá ficar inelegível para as eleições presidenciais deste ano. Há também a possibilidade do petista ir para a cadeia. Conforme decisão em primeira instância do juiz federal Sergio Moro, Lula foi condenado em nove anos e seis meses de detenção por crime de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP).