Um dos mais "polêmicos" magistrados que integra a mais alta Corte de Justiça do país, o Supremo Tribunal Federal [VIDEO], se envolveu em um episódio extremamente complicado, face às novas investigações apontadas pela Polícia Federal [VIDEO]. Trata-se de uma mensagem recebida via WhatsApp no aparelho de celular de um juiz federal do estado do Rio de Janeiro. A mensagem eletrônica atinge diretamente o ministro do Supremo, Gilmar Mendes. De acordo com as investigações da Superintendência da #Polícia Federal do Rio de Janeiro, o juiz Glaucenir Oliveira, titular da Vara Criminal de Campos dos Goytacases e que também é o magistrado titular do município supracitado do interior do estado do Rio, está tendo sua conduta apurada.

Ministro do Supremo é um dos alvos de profunda investigação

O juiz Glaucenir Oliveira é o magistrado responsável pela condução das investigações de cunho eleitoral, em se tratando de suposta compra de votos em favorecimento da eleição do ex-governador do estado do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho. O aprofundamento das investigações da Polícia Federal rememoram a algumas evidências e provas que podem se tornar fundamentais para a elucidação de todo o caso. De acordo com os investigadores federais, a descoberta de uma mensagem eletrônica, cujo áudio foi encaminhado a um grupo do aplicativo WhatsApp e que é, além de tudo, atribuída ao juiz Glaucenir Oliveira, permite que possa ser desmontado todo o "quebra-cabeça", que acarretou, ao final, na soltura para regime de prisão domiciliar, do ex-governador Anthony Garotinho.

Entretanto, um dos fatores que mais impressionou aos investigadores da força-tarefa da Polícia Federal é que a mensagem de áudio encaminhada através do aplicativo WhatsApp se referia a uma séria acusação contra o ministro Gilmar Mendes. De acordo com o conteúdo desvendado, em se tratando da gravação eletrônica, o ministro Gilmar Mendes fora acusado de fazer a concessão de habeas corpus ao ex-governador Anthony Garotinho, em troca de um suposto recebimento de propina, ou seja, recursos ilícitos de caráter ilegal, para que fosse expedido o mandado de soltura do ex-governador fluminense.

Vale ressaltar que a ordem pra que fosse implementada toda essa investigação da Polícia Federal, partiu do Tribunal de Justiça do estado do Rio de Janeiro. Se comprovadas as acusações, inclusive, em relação à conduta do juiz Glaucenir Oliveira, que é o magistrado que comandou as investigações relacionadas ao inquérito aberto contra o ex-governador Anthony Garotinho, as investigações do magistrado carioca estariam altamente sob suspeita, além da concessão de habeas corpus, por parte do ministro Gilmar Mendes, dirigida à obtenção da soltura do ex-governador carioca.

#Governo #Corrupção