A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO], ministra Cármen Lúcia, que conduz a mais alta Corte do Poder Judiciário no país, se manifestou em relação a um inquérito envolvendo supostas práticas relacionadas a crimes de corrupção, cuja acusação é dirigida ao ex-ministro da Casa civil do Governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o petista José Dirceu. Dirceu, que já foi condenado no âmbito dos processos na Operação Lava Jato [VIDEO], acabou sendo solto por ministros da Suprema Corte. Entretanto, o político que já foi considerado "homem-forte" das administrações petistas, não deverá ter "vida fácil", a partir de agora.

O ex-ministro petista José Dirceu, foi citado por um ex-delator da empreiteira Odebrecht, em se tratando de repasses de altas somas de dinheiro pela própria construtora, dirigidos a campanhas políticas indicadas por Dirceu, cujo processo está sob investigação.

De acordo com a Polícia federal, foram cerca de R$ 350 mil indicados por Dirceu às campanhas aliadas e mais R$ 250 mil para seu filho Zeca Dirceu.

Vale ressaltar que a força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato apura irregularidades e supostos crimes de corrupção que envolvem Dirceu, por meio de todo um trabalho desenvolvido pela Polícia Federal e Ministério Público Federal. A Lava Jato é considerada uma das maiores, ou mesmo, a maior operação anticorrupção já instituída no Brasil e uma das maiores em todo o mundo, que possui como responsável em primeira instância, o juiz Sérgio Moro, titular da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, capital do estado do Paraná.

Prorrogação das investigações na Lava Jato

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, determinou que seja acrescentado um prazo de mais de trinta dias para que a Polícia Federal possa concluir as investigações que apuram crimes praticados pelo ex-ministro José Dirceu e seu filho, Zeca Dirceu (PT-PR).

Embora esse inquérito, assim como os da força-tarefa da Lava Jato, esteja nas mãos do ministro-relator da operação na Suprema Corte, Luiz Edson Fachin, a própria presidente tem se manifestado ao emitir decisões durante a ocorrência de recesso dos ministros do Supremo. Vale lembrar que o recesso dos magistrados finaliza em fevereiro. Até lá, as decisões mais urgentes caberão à ministra Cármen Lúcia, além de proferir as decisões relacionadas aos processos no âmbito da Operação Lava Jato, no STF.

José Dirceu, embora já condenado pelo juiz Sérgio Moro, à prisão, pelo cometimento de crimes de corrupção, ao se envolver no mega esquema de corrupção e distribuição de propinas na Petrobras, encontra-se sob prisão domiciliar. A defesa de Zeca Dirceu se manifestou ao afirmar que o deputado federal petista, através de uma nota emitida através de seu gabinete, que sua campanha nunca recebeu doações oriundas da empreiteira Odebrecht e que o político nunca solicitou recursos aos executivos da empresa.