A servidora pública Daniela Tagliari Kreling Lau, que exerce o papel de chefe do gabinete do presidente do Tribunal Regional Federal, da 4° Região, trouxe grande polêmica com suas declarações através da rede social Facebook. Apoiadores de Lula ficaram revoltados com a atitude da assessora do TRF-4 e começaram a acusá-la de parcialidade.

A publicação feita por Daniela no Facebook era uma petição online pedindo a prisão de Lula - isso aconteceu na última quarta-feira. A moça enfatizou seu desejo por querer ver Lula preso [VIDEO] e tentou angariar assinaturas para a condenação do ex-presidente. Quando petistas notaram o ocorrido, a senadora Gleisi Hoffmann (PT) foi até o Twitter para questionar a atitude da moça, dizendo que uma ''perseguição'' contra Lula estaria em jogo.

Além de Hoffmann, o senador Lindbergh Farias também se manifestou, dizendo que isso se trataria de um ''escândalo'' no julgamento e que mostra ''parcialidade no TRF-4''. No entanto, em nota, o tribunal deu uma resposta contundente para os petistas. Veja a seguir.

Resposta do tribunal que irá julgar Lula

O presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores, afirmou que sua chefe de gabinete está em total direito de manifestação. Thompson quis dizer que Daniela, assim como qualquer cidadão brasileiro, tem direito de se manifestar por uma causa. O presidente citou que a moça estava fora de seu horário de trabalho e sua conta no Facebook é totalmente pessoal, não tendo o por quê de questionarem suas publicações.

Além do mais, Thompson disse que Daniela é concursada com mais de 24 anos de carreira, e que ela não atua na área judicial e nem em julgamento de processos.

O presidente disse que a servidora sempre exerceu cargos administrativos no tribunal, trabalhando ao lado de vários presidentes.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu [VIDEO] em vários processos da Operação Lava Jato e foi condenado pelo juiz federal Sergio Moro a 9 anos e seis meses de cadeia. Agora, no próximo dia 24 de janeiro, Lula será julgado em segunda instância pelo tribunal de Porto Alegre. Petistas acreditam que Lula é inocente e vítima de uma ''grande perseguição''. Por outro lado, o Ministério Público Federal (MPF) acusara o ex-presidente de crimes como Corrupção e lavagem de dinheiro. As declarações da assessora do presidente do TRF-4 fizeram petistas se revoltarem com o tribunal, exigindo na Justiça que a ação contra Lula fosse cancelada.