Nesta última quarta-feira (24), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva assistiu ao julgamento que analisou a sua apelação contra a sentença condenatória proferida pelo juiz Sérgio Moro, comandante da Operação Lava Jato. O magistrado condenou o petista a pena de nove anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex.

De acordo com a condenação de Moro, o ex-presidente incorreu nos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva quando ainda exercia o mandando de Chefe de Estado.

Insatisfeito com a decisão da primeira instância em Curitiba, os defensores do petista acharam por bem protocolar pedido de retificação da sentença no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre (RS).

Durante toda quarta-feira, se ouviu falar sobre o julgamento de Lula. Inclusive, em alguns websites foi possível visualizar ao vivo a cobertura completa do evento, expressão nítida de uma população interessada na deliberação de três juízes desembargadores: João Pedro Gebran Neto, selecionado para conduzir a relatoria do processo, além de Leandro Paulsen e Victor Laus, que também parte da da 8ª Turma que apreciava o recurso do ex-presidente e um pedido protocolado pelo Ministério Público Federal (MPF) requerendo o aumento da pena.

Aparentemente apreensivo, apesar de manifestar confiança quando esteve em Porto Alegre, na véspera do julgamento, na terça-feira (23), discursando para aliados de partido, juristas e famosos, Lula afirmou novamente que nada iria impedi-lo de se candidatar à Presidência da República e ousou mencionar: "aconteça o que acontecer", comentando que estava bastante "tranquilo", pois, segundo ele, ninguém tem provas concretas para incriminá-lo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula PT

Desta feita, ainda pela manhã, Lula foi conduzido para a sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, localizado na Rua João Basso, 231, em São Bernardo do Campo. O petista preferiu assistir ao julgamento em companhia de amigos pessoais, como, por exemplo, Celso Amorim, ex-chanceler, o amigo de longa data Rui Falcão, ex-presidente do PT, o ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Aloizio Mercadante, além do ex-prefeito de Santo André, Carlos Grana.

Também estiveram presentes aliados de partido. As informações são de autoria da equipe de assessores do ex-presidente.

Assim que finalizou a apreciação do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, a sentença de Lula sofreu alteração, apesar da ratificação por unanimidade, a dosagem da pena alcançou o período de doze anos e um mês, ao invés de nove anos e seis meses, conforme fixado anteriormente pela 13ª Vara Criminal do Paraná.

Mesmo antes do desfecho, o Partido dos Trabalhadores (PT) já havia registrado um ato para essa quinta-feira (25), às 10 horas, segundo eles, para ampliar a comunicação da Executiva Nacional a qual deverá reafirmar a candidatura do ex-presidente Lula. A decisão ocorre em um momento de conflito, principalmente com a Justiça, todavia, exibe a coragem e a vontade em guerrear contra a decisão da Corte, apontou a redação do Correio Brasiliense.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo