O presidente Michel Temer, do PMDB, passou por momentos difíceis em 2017. O ano do político foi bastante movimentado e o que aconteceu com ele mobilizou o país. Com idade extremamente avançada, o peemedebista preocupou em relação ao que poderia acontecer com a sua saúde, mas também com a Política do Brasil, afinal, nosso território vive maus momentos. O ano de 2017, por exemplo, foi um dos mais movimentados quando o assunto é corrupção. Muitos nomes acabaram sendo presos, enquanto muitos brasileiros esperam que as decisões de cima possam ajudar as mais variadas pessoas, especialmente as pobres. [VIDEO]

No entanto, o fantasma da saúde do marido da primeira-dama Marcela Temer voltou a atacar no final do ano de 2017 e as informações sobre a falha de um setor tão importante na vida de Michel, agora abalam o Brasil, em um ano que terá uma nova eleição a ser disputada provavelmente por nomes polêmicos, como o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do deputado federal Jair Bolsonaro.

Michel Temer tem problema grave no sistema urinário e pode voltar a ser internado

O presidente do Brasil está passando a virada do ano com sua família na capital federal, Brasília. No entanto, nesse domingo (31), último dia de 2017, ele ficou rodeado também de médicos. Michel acabou sendo diagnosticado com uma infecção urinária. O problema pode ser ainda mais sério na idade do peemedebista, que vive a expectativa de uma melhora. De acordo com informações do portal de notícias G1, Temer recebeu todos os diagnósticos no Palácio do Jaburu. Os resultados dos exames feitos por ele, podem ajudar a saber qual via será o tratamento dele, a partir de agora.

Michel Temer vive fantasma de doença misteriosa no decorrer de idade superavançada

Michel tem uma rotina muito estressante para um homem de sua idade.

Ele assumiu o posto no país em um momento complicado, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Há 15 dias, o presidente foi submetido a um procedimento cirúrgico de desobstrução da uretra. A previsão da equipe médica é que ele ficaria com uma sonda por 3 semanas.

Até antes de sentir mais dores na região do sistema urinário, Michel Temer ia passar a virada do ano na chamada base naval do Rio de Janeiro. No entanto, ele não teria disponível para ele médicos que poderiam ajudar em um possível procedimento, caso sua saúde tivesse qualquer complicação na virada do ano de 2017 para o de 2018.