A data agendada para o julgamento do ex-presidente da República [VIDEO], Luiz Inácio Lula da Silva, tende a se tornar um dia extremamente complicado e até mesmo, tumultuado na capital gaúcha. As ameaças de que haverá luta fazem parte de uma estratégia deflagrada por setores que apoiam o petista e entidades ligadas ao ex-presidente, como por exemplo, o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). Um de seus principais dirigentes, Alexandre da Conceição, afirmou enfaticamente que deverá se mobilizar em Porto Alegre, com sua organização.

Vale lembrar que o ex-presidente Lula já foi condenado em primeira instância, por decisão proferida pelo juiz federal Sérgio Moro.

O magistrado paranaense é o responsável pela condução dos trabalhos de apuração da força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato [VIDEO], considerada a maior operação de combate anticorrupção e crimes do colarinho branco, em toda a história contemporânea do Brasil. A Lava Jato é considerada, ainda, uma das maiores operações já deflagradas em todo o mundo e apura crimes que resultaram na sangria dos cofres públicos da maior estatal brasileira, a Petrobras.

No inquérito em que Lula foi sentenciado pelo juiz Sérgio Moro, a mais de nove anos e seis meses de prisão em regime fechado, além do pagamento de multa, o petista é acusado pela obtenção de um apartamento tríplex de luxo, através de recursos públicos angariados ilicitamente, por meio de empreiteiras envolvidas no mega esquema de Corrupção denominado de "Petrolão".

O imóvel luxuoso atribuído ao ex-presidente Lula está localizado em uma das valorizadas regiões litorâneas do sul do estado de São Paulo, a praia de Astúrias, na cidade de Guarujá.

Ameaças do MST prometem 'tumultuar' julgamento de Lula no TRF4

A data de julgamento do processo do ex-presidente Lula em 24 de janeiro próximo tende a se tornar um dia muito difícil para o ex-mandatário, principalmente, se for confirmada a condenação na segunda instância ou "Corte de Apelação", no TRF4 (Tribunal Regional Federal da Quarta Região), localizado na cidade de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Conforme verificado no próprio site do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), por meio de uma entrevista divulgada por um de seus dirigentes, Alexandre da Conceição.

De acordo com o dirigente do MST, se Lula for condenado, "não adiantaria se a Prefeitura de Porto Alegre não autorizar o protesto e nem adiantaria se o governador do Rio Grande do Sul colocar toda a força repressora, nem mesmo que o Poder Judiciário tente impedir o povo de lutar, pois vai ter luta sim, em todo o Brasil", em alusão à provável condenação do petista, se confirmada a sentença do juiz Sérgio Moro, o que pode tornar Lula, além de inelegível, um sério risco de que possa ter que enfrentar a prisão.