O comandante das Forças Armadas, o General Eduardo Villas Bôas [VIDEO], mostrou que a instituição mudou sua posição perante o deputado federal e pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro. As falas do General teriam agradado Bolsonaro. Villas Bôas deixou claro que a oposição a Bolsonaro teria deixado de existir.

Jair Bolsonaro ganhou grande notoriedade na mídia por conta de suas falas polêmicas. Contra a esquerda, o parlamentar já foi colocado como um candidato da extrema direita. Longe de crimes de corrupção, Bolsonaro mostra que não é acusado de nenhum crime e atribui críticas a diversos políticos atrelados em processos, como o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

Um dos pontos citados pelo comandante do Exército é que Bolsonaro não tem vínculo com crimes de corrupção, e por isso, o Exército mostra-se ''favorável'' ao político. No entanto, o General deixa claro que isso não significa que a corporação coloque o político como o candidato para as Eleições presidenciais. Além do mais, Bolsonaro já serviu o Exército, sendo um dos capitães da reserva e tendo muitos amigos na corporação.

Villas Bôas diz que quatro dos quinze atuais generais que integram o Alto Comando do Exército são colegas de Bolsonaro da turma de 1977. Outro fato que chamou atenção das Forças Armadas, foi o parlamentar ter defendido a instituição perante a Comissão de Verdade durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Jair Bolsonaro ganhou pontos com a corporação.

Ao contrário de Lula, Bolsonaro não é investigado em crimes e isso aumenta ainda mais sua posição perante as Forças Armadas, que obviamente não colocariam Lula [VIDEO]com o comandante supremo da instituição.

Bolsonaro mostrou-se ativo no Exército, durante os últimos ele participou de diversas cerimônias de formatura das turmas, há também um contato informal entre os generais da ativa e da reserva.

No mês de março, Bolsonaro deverá se filiar ao partido PSL, o objetivo é concorrer as eleições presidenciais deste ano. Em pesquisas de intenções de voto, Bolsonaro já chegou a ficar em segundo lugar, atrás apenas do ex-presidente Lula.

O general Antonio Hamilton Mourão, que chegou a levar repreensão das Forças Armadas por conta de suas afirmações sobre Intervenção Militar, chegou a afirmar que Bolsonaro é ''um dos nossos'' e que o parlamentar ''não tem teto de vidro'', demonstrando total apoio ao deputado federal.