As especulações sobre o futuro político do presidente Michel Temer [VIDEO] crescem na mesma proporção que se aproximam as novas eleições presidenciais. Embora já tenha admitido que não vai tentar a reeleição, nem mesmo esse cenário está descartado faltando cerca de sete meses para o pleito.

Neste sábado, 24, o governador de São Paulo e pré-candidato à presidência da República, Geraldo Alckmin, disse que "é direito dele" a eventual opção por se candidatar. Por outro lado, o tucano disse que torce para que a intervenção federal na segurança pública do estado do Rio de Janeiro não tenha sido uma manobra eleitoral.

“Eu não tenho essa condição de adentrar nas consciências alheias, mas realmente espero que não tenha sido essa a motivação da intervenção federal.

Efetivamente, é bastante grave a situação do Rio de Janeiro”, lamentou Alckmin.

Ainda sem confirmação oficial, Alckmin deverá ter em 2018 [VIDEO] a sua segunda candidatura à presidência. Em 2006, ele foi derrotado em segundo turno pelo então reeleito Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula, que iniciaria ali o seu segundo mandato no comando do Brasil. Outros nomes que despontam como opções para 2018 são Jair Bolsonaro, Marina Silva, Ciro Gomes e agora até o ministro Henrique Meirelles.