Desconhecido por parte de muitos eleitores, João Amoêdo [VIDEO] (Partido Novo) é um dos pré-candidatos à Presidência da República este ano. Por não ter nenhuma ligação com a vida política, o empresário busca inovar com perspectivas eficazes para a população.

Amoêdo explica que não teme a derrota na próxima eleição, mas, afirma que tem ao menos tentar, independente do resultado final. Ele defende que brigar por seus ideais é fundamental para as mudanças que precisam ser feitas no Brasil.

Mesmo sendo novato no mundo da política, Amoêdo acredita que pode ajudar o Brasil a equilibrar as contas públicas, implantar reformas estruturais e descentralizar o papel do Estado.

Essas são algumas propostas que pretende adotar, caso se torne presidente do país.

O pré-candidato pensa a curto, médio e longo prazos. Entretanto, caso seja derrotado nas eleições, será tratado como uma tentativa válida e justa para querer mudar os problemas que se acumulam na vida social de cada brasileiro. A postura, segundo ele, tem de ser adequada e eficiente para que ganhe prestígio e atenção social para que seja eleito.

O empresário relata que, para o Brasil andar precisa de menos burocracia e que o próprio governo deveria ser menos protagonista, para que o cidadão se torne ativo o suficiente e obtenha ganhos satisfatórios não apenas para o seu bem-estar, mas em serviços essenciais, como saúde, moradia, entre outros.

Perspectivas do partido e de seu futuro nessas eleições

Para muitos, a entrada de Amoêdo nessas eleições é vital para uma reformulação no que diz respeito as novas ideias e ter a capacitação necessária para mudar as políticas públicas do país.

Entretanto, ainda é cedo para avaliar qualquer passo do empresário.

As pessoas contrárias à proposta do partido de Amoêdo explicam que é apenas uma parte da elite que quer revolucionar o Brasil [VIDEO], ou que não teriam capacidades suficientes de administrar todos os problemas presentes no país. Já quem apoia o partido de Amoêdo explica que o coletivo social deve prevalecer sobre o individual.

Por isso, ele se diz diferente dos velhos candidatos que sempre entram na disputa todas as eleições para presidente. Nesse contexto, o empresário entende que é necessária a privatização dos Correios, Banco do Brasil e da Petrobras, envolvida em escândalos dos últimos anos.

As expectativas dessas eleições, segundo Amoêdo, são enormes. Por isso, o empresário anda fazendo palestras por todo o Brasil. Para ele, o ponto de partida já foi dado, com campanhas mais favoráveis e com um poder convencimento gigantesco.