O procurador da República e coordenador da força-tarefa das investigações da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, deu declarações consideradas ''perigosas' [VIDEO]' através da sua conta na rede social Twitter. Um deputado que observou as afirmações ficou enfurecido com o procurador e buscou meios para que Dallagnol se explicasse.

O procurador estava avaliando a situação de calamidade do Estado do Rio de Janeiro, em que foi preciso acionar uma intervenção federal para conter a falta de segurança pública que domina o local. Dallagnol foi claro em suas palavras e deu uma alerta preocupante aos deputados, ele disse que se é considerado fazer buscas e apreensões dentro de favelas do Rio, então também seria conveniente que forças policiais entrassem no Congresso brasileiro.

Dallagnol avaliou que dentro das favelas há muitas famílias inocentes, que não têm culpa da tamanha criminalidade na região. O procurador disse que se comparar a quantidade de pessoas da favela com a quantidade de pessoas do Congresso, seria muito mais óbvio fazer buscas e apreensões dentro da Casa.

As declarações soaram de forma ''errônea'' para o deputado do MDB, Fábio Ramalho. Segundo o deputado, Dallagnol não teria que dizer aquilo, pois as pessoas que estão na Casa foram eleitas pelo povo. Além do mais, o deputado resolveu fazer um convite inesperado, pedindo ao Congresso que convoque Dallagnol para dar explicações pessoalmente aos deputados. Ramalho também deu um recado dizendo que Dallagnol deveria se candidatar para a política, assim ele poderia dar com firmeza essas declarações.

Outros deputados presentes aplaudiram Ramalho.

Deltan Dallagnol

O coordenador da força tarefa da Lava Jato ganhou grande notoriedade com as investigações. Dallagnol chegou a fazer acusações ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, [VIDEO] afirmando que o petista seria o comandante de uma organização criminosa. Lula, não gostou das afirmações e entrou com um processo judicial contra Deltan, no entanto o petista perdeu a ação.

Deltan é um grande protetor das investigações da Lava Jato, ele enfatiza que é contra a corrupção e sempre pediu apoio da população para que as operações continuem em alta. Além de Deltan, o juiz federal Sérgio Moro também ganhou os holofotes ao ser o responsável por analisar ações penais envolvendo Lula, e chegando a condenar o petista a 9 anos e seis meses de cadeia, mandando a decisão para a segunda instância.

A operação Lava Jato conseguiu trazer de volta aos cofres públicos quantias milionárias apontadas como dinheiro de propinas envolvendo diversos políticos brasileiros.