A intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro está sendo vista com grande polêmica. Devido à calamidade na segurança pública da cidade, a incapacidade dos governantes e o alto índice de criminalidade, foi preciso evitar que o Estado se deteriorasse admitindo uma urgente ajuda do governo federal.

No ano passado, o ministro da Justiça Torquato Jardim, havia dado uma declaração polêmica envolvendo deputados estaduais. Hoje, as afirmações do ministro atingiram o presidente da República, Michel Temer, fazendo com que ele assinasse o decreto para que forças de segurança máxima entrem na conhecida ''Cidade Maravilhosa''.

Torquato deixou claro que havia deputados estaduais suspeitos que estariam financiando o crime organizado no Rio, dentro da Polícia Militar.

A declaração de Torquato soou com grande insatisfação pela classe da polícia e houve até protestos do governador Pezão. Hoje, ao que tudo indica, as afirmações do ministro da Justiça estavam certas e o Governo federal tenta agir para, pelo menos, minimizar os efeitos na população carioca.

Mudanças irão acontecer sob o comando do general Braga Netto, ele assumirá o comando da Polícia Militar do Rio até o dia 31 de dezembro deste ano.

Netto poderá colocar quem ele desejar para assumir toda a PM. Planos estratégicos estão sendo formados e a intervenção federal será dividida em etapas.

O presidente Michel Temer se mostrava resistente quanto à intervenção, porém toda vez que crimes aconteciam e a situação do Rio piorava, ele era lembrado no Palácio do Planalto até então tomar a decisão. No entanto, Temer afastou a possibilidade de decretar Estado de Defesa e Estado de Sítio. Caso a intervenção federal falhar, as Forças Armadas iriam partir para outras soluções.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo Michel Temer

O presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira, declarou que os valores necessários para a realização da intervenção no Rio já estão liberados. No entanto, não declarou qual é este valor. Rebatendo críticas da oposição, Eunício afirmou que foram apresentados os dados para justificar uma edição feita no decreto, porém admitiu que é preciso ainda mais ''transparência''.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles também já se manifestou nesta segunda-feira, 19 de fevereiro, sobre o dinheiro destinado à intervenção.

Não foi tirada a possibilidade do governo captar recursos de outras áreas para serem utilizados no Rio de Janeiro. O orçamento das Forças Armadas também seria reforçado já que estarão atuando no Rio,

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo