O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está tentando de todas as maneiras uma solução para o seu difícil caso. O petista pode ser preso no final de março com uma decisão dos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e ele precisa correr contra o tempo. A esperança do ex-presidente é o Supremo Tribunal Federal (STF).

O que Lula não esperava na Corte é ser "parado" pela ministra Cármen Lúcia, que deixou bem claro que não vai colocar na pauta da Corte o julgamento do habeas corpus dele.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Lula

Vários defensores do ex-presidente chegaram a tentar encontros e conversas com a ministra, uma forma de pressioná-la a ajudar Lula. Ela negou todos os encontros e apenas outros ministros ouviram as queixas e implorações dos amigos do petista.

Pressionada por todos os lados, Cármen Lúcia surpreendeu Lula mais uma vez. O novo advogado do petista, ex-presidente do STF Sepúlveda Pertence, tentou marcar uma audiência com a ministra. O pedido foi feito na quarta-feira passada e até agora ainda não obteve nenhuma resposta. Uma atitude que chamou atenção de todos, já que, Pertence, tem passe livre dentro do STF. O ministro Edson Fachin, por exemplo, rapidamente atendeu o advogado.

Pressão

Conforme informações do site "O Antagonista", até mesmo a Folha de São Paulo está sendo usada para pressionar a presidente da Corte. os petistas querem de qualquer jeito um encontro rápido de Cármen com Pertence. Eles acreditam que a ministra vai recuar e dar uma forcinha para Lula.

A preocupação que existe no PT é que os dias estão correndo e cada vez se aproxima mais a possibilidade do petista ser preso.

O mistério em torno da decisão da ministra de não levar o habeas corpus de Lula para julgamento está mexendo com os nervos da Esquerda.

Até mesmo Fachin, que sempre teve um pensamento próximo da ministra, teve atitudes diferentes [VIDEO] depois da visita, em seu gabinete, do advogado de Lula. A resistência de Cármen Lúcia [VIDEO] é enaltecida por aqueles que querem a prisão de Lula.

Corrupção

Um ministro que defende os mesmos princípios de Cármen é Luis Roberto Barroso. Em um evento da TV Gazeta, ele enalteceu os trabalhos da Operação Lava Jato e ressaltou que os crimes de colarinho branco são graves e devem ser combatidos com veemência.

Os Estados faliram com a corrupção que devastou os cofres públicos e pessoas acabaram morrendo por não terem o mínimo necessário que a Constituição determina.

De acordo com Barroso, a Lava Jato plantou uma semente para combater a corrupção e hoje, os criminosos pensam duas vezes antes de cometerem atos ilícitos.