A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, abriu o ano de trabalhos do Judiciário com um forte discurso contra aqueles que atacam a Justiça. A solenidade aconteceu nesta quinta-feira (01) e contou com a presença do presidente Michel Temer, da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do Senado, Eunício Oliveira, da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Claudio Lamachia e de vários ministros e outras autoridades.

Com fortes declarações, a ministra foi contundente e disse que não aceitará ataques à Justiça. Nos seus dizeres, isso é algo inadmissível e inaceitável.

Mesmo não citando nomes e nem um caso específico, um dos fatos que pode ter causado a revolta dela são a forma que os membros do PT adotaram nos últimos dias de pressionar desembargadores e criticá-los, devido a tensão com o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ocorrido em 24 de janeiro.

Além de Lula, líderes de movimentos, senadores da República e ex-ministros se utilizaram de propagar ódio contra aqueles que defendem a condenação do petista.

Cármen Lúcia comentou que as pessoas podem não aceitar uma certa decisão da Justiça, mas devem fazer a reclamação por atos legais e não com ameaças e outros métodos. Segundo ela, "Justiça individual" é vingança.

A ministra ressaltou que o desacato às autoridades é um tipo de ato de força pessoal ou vingança e está fora do direito da Justiça.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Governo

Respeito

Nas suas declarações, a ministra exigiu respeito à Constituição e afirmou que a Lei é a garantia de Justiça para todos. Ela citou o descumprimento da Lei como sendo um mau exemplo e que acaba afetando outras pessoas, contaminando e comprometendo a visão de instituições sérias.

A ministra deixou claro que a civilização nasce do respeito entre as pessoas e que todas têm direito a opiniões e pensamentos diferentes, porém, tudo tem que estar baseado nas leis do país.

Lula

O ex-presidente tem proferido vários ataques contra a Justiça diante de suas derrotas de apelo judicial. O juiz Sérgio Moro é um dos mais atacados por Lula e pelo PT.

O petista está desesperado por ter sido condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Sua prisão pode ser decretada a qualquer momento.

Ele também é alvo da Lei da Ficha Limpa e não poderá concorrer às eleições.

O PT não tem outro plano caso Lula fique fora da disputa.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo