Ainda que o seu partido, o PSDB, tenha como pré-candidato à presidência da República o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, FHC, vê com bons olhos a possibilidade do astro da Rede Globo e apresentador Luciano huck se candidatar ao pleito. O experiente político entende que uma candidatura dessa natureza poderia colocar em "perigo" aquilo que chama de "política tradicional".

Huck, em artigo publicado pelo jornal Folha, em novembro de 2017, descartou completamente a possibildade de ser candidato em 2018. No entanto, interlocutores e aliados do apresentador entendem que é possível convencê-lo do contrário.

A situação de Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula, que pode ficar inelegível por conta da condenação recente do Tribunal Regional da 4 Região - TRF4, pode ter peso decisivo na escolha de Huck.

"Gosto bastante dele, sou amigo dele e também da família dele. Eu entendo que para o Brasil a candidatura dele seria bom, mas eu não sei ainda o que ele vai fazer", avaliou Fernando Henrique em entrevista concedida à emissora Joven Pan.

FHC entende que Huck é uma pessoa com "boas intenções", e que isso é fundamental para o momento vivido no país. O ex-presidente acredita que essa eventual candidatura influenciaria na "política tradicional", o que ele entende ser bastante positivo, mesmo que afete o seu partido PSDB.

"Acho importante ter gente como o Luciano porque precisamos arejar a política, colocar em perigo essa política tradicional, mesmo que de alguma forma isso venha a influenciar o meu partido também.

Essa velha política precisa ser desafiada por pessoas com boas ideias e com processos políticos novos para que os partidos avancem. Vejo um sinal nessa direção", comentou.

Huck, até o momento, não tem vínculo com nenhum partido de modo oficial. Mas, segundo a Folha, tem recebido pessoas ligadas ao marketing político em sua casa desde o ano passado. Para FHC, "ter partido é importante, porque depois para governar, se não tiver, fica bem mais difícil".

Pesquisa favorece

Há um outro ingrediente recente importante que pode servir de "combustível" para Luciano Huck [VIDEO]. Na recente pesquisa feita pelo Instituto Datafolha, divulgada na semana passada, ele apresenta números relativamente satisfatórios na briga por um eventual segundo turno em um cenário sem Lula [VIDEO] - o petista pode ficar impedido de concorrer caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) assim entenda, já que ele está condenado e incorreria na Lei da Ficha Limpa.

Nos novos números, o marido da também apresentadora global Angélica chega à casa dos 8% das intenções de voto, empatado tecnicamente com Geraldo Alckmin, que será o representante do PSDB no pleito do segundo semestre desse ano.

A mesma publicação de Folha, aliás, dá conta de que FHC recebeu individualmente uma pesquisa que indica que Huck tem totais condições de se inserir no pleito com chances de vitória. As declarações dadas pelo ex-presidente foram depois do conhecimento desse levantamento sobre o apresentador.

Huck, apesar de ter negado a candidatura em novembro, também chegou a dizer em outro momento que havia "chegado o momento das pessoas da minha geração ocupar os espaços do poder", dando a entender, na ocasião, que tinha o objetivo de entrar no meio da política. Historicamente, o Brasil nunca teve um presidente egresso do meio da televisão.

Além dele e de Alckmin - e também de Lula, que ainda vive situação delicada e indefinida quanto à participação nas eleições de 2018 -, os outros principais nomes para a próxima disputa eleitoral são Jair Bolsonaro, Ciro Gomes e Marina Silva.