O recém-nomeado interventor para a área da Segurança Pública que abrangerá todo o estado do Rio de Janeiro, general Walter Braga Netto, membro integrante do Exército e das Forças Armadas brasileiras [VIDEO], se manifestou a respeito da situação vivenciada no estado fluminense. Vale ressaltar que o Rio de Janeiro atravessa um momento extremamente complicado, em fase à grave crise de violência que permeia a realidade carioca. Entretanto, embora a situação não tenha chegado a um nível de "descontrole" total, a situação é de tal modo, alarmante.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Governo

Os índices de violência são muito altos, não somente no Rio, mas em todo o Brasil.

O general Walter Braga Netto havia sido contundente, ao ter afirmado anteriormente, que o estado do Rio de Janeiro não estaria atravessando uma situação que estaria tendo muita "mídia".

Entretanto, o general interventor no Rio, mudou um pouco o discurso apresentado, ao afirmar que "a situação seria grave, mas não estaria fora do controle".

Passos a serem tomados pelo interventor federal

O papel a ser desempenhado pelo alto comando do Exército brasileiro [VIDEO], pelo general Walter Braga Netto, interventor federal no estado do Rio de Janeiro, demonstra ainda que não haveria uma decisão concreta do que será feito, de acordo com o próprio militar embora hajam planos e estratégias já prontas para atuação no estado. A decisão de nomeação de um alto integrante das Forças Armadas no comando da Segurança Pública no Rio de Janeiro, coube ao presidente da República, Michel Temer.

O general Braga Netto afirmou que "não há decisão ainda sobre o que será feito, mas que não será assumido o papel da Secretaria da Segurança ou da Polícia Militar".

O militar Braga Netto foi ainda mais longe, ao declarar que "o Exército, por meio das Forças Armadas, deverá trabalhar em conjunto, assim como já foi feito em se tratando de algumas situações anteriores, embora com algumas diferenças, de modo que nessa fase, possa seer orientado todo um trabalho para a contenção da violência no estado do Rio de Janeiro".

A atuação do presidente Michel Temer foi ainda mais enfática, ao apontar para a criação de um Ministério da Segurança Pública no país, que será efetivado por meio de medida provisória. A determinação do presidente foi confirmada juntamente a colaboradores mais próximos ao mandatário do país. Vale ressaltar que a nova pasta deverá acarretar um esvaziamento do Ministério da Justiça, já que terá como principal guarda-chuva, uma das instituições mais respeitadas do país; a Polícia Federal. Entretanto, resta ainda que a MP precisa ser votada no Congresso Nacional, que estará apto a vetar ou não a criação do novo Ministério.