O ex-procurador-geral da República #Rodrigo Janot deixou de seu cargo, mas com rastros. A equipe da #Polícia Federal que compõe a força-tarefa das investigações da Operação Lava Jato ficou estarrecida ao perceber graves erros no armazenamento de documentos importantes ligados a operação.

Segundo informações do portal ''O Antagonista'', a Polícia Federal [VIDEO] teve que pedir novas cópias na Suíça do sistema Drousys. Os peritos descobriram que haviam violações com os documentos que estavam em poder da Procuradoria, tirando a credibilidade das investigações.

Membros da equipe, da época em que Rodrigo Janot estava no comando da PGR, mexiam nos equipamentos ligados as propinas de forma errada, sem nenhum capricho.

Os protocolos que deveriam ser cumpridos para que a integridade das provas permanecessem não eram feitos, prejudicando agora o trabalho dos peritos.

Os técnicos da PF de Curitiba, no Paraná, ficaram surpreendidos quando viram que cópias e HDs enviados diretamente da Suíça com importante conteúdo sobre pagamentos propina eram guardados de forma esdrúxula, em sacolas de mercado, sem nenhum cuidado.

Oito importantes HDs foram encontrados nessas condições, fazendo com que a PF pedisse mais cópias para a Suíça a fim de garantir a integridade do material. Rodrigo Janot comandou a Procuradoria Geral da República entre os anos de 2013 a 2017. Raquel Dodge foi a escolhida pelo governo e está atualmente no comando do órgão.

Após sair do comando da PGR, Rodrigo Janot encontra-se trabalhando na Colômbia, lugar que passará uma temporada na Universidade de Los Andes.

O objetivo de Janot é dar aulas mostrando técnicas de combate à corrupção. O curso durará cinco meses.

Rodrigo Janot chegou a ser ouvido como testemunha pela Polícia Federal em uma investigação que apura irregularidades no acordo de delação premiada com executivos da empresa JBS. A delação foi peça-chave para incriminar o presidente #Michel Temer e tirar a credibilidade de seu governo. Após dar depoimento, dois dias depois Janot deixou o Brasil.

Na tradição, o próximo procurador-geral da República é a pessoa com mais votos. No entanto, o presidente Michel Temer quebrou o protocolo e escolheu Raquel Dodge para assumir a Procuradoria, pulando o lugar de Nicolao Dino, ligado a Janot. O fato de Temer quebrar o protocolo é por Dino ser autor de duas denúncias que tramitam contra ele no Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO].