O juiz federal Sérgio Moro se deparou com uma nova solicitação formulada pela defesa do ex-presidente da República [VIDEO], Luiz Inácio Lula da Silva, em relação a processo em que o ex-mandatário petista é julgado no âmbito da Operação Lava Jato [VIDEO], a maior operação de combate a crimes relacionados à Corrupção de "colarinho branco" em toda a história contemporânea brasileira, além de já ser reconhecida como uma das maiores operações anticorrupção já implementadas em todo o mundo.

A força-tarefa de investigação da Lava Jato, sediada em primeira instância, na Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná, em se tratando da décima terceira Vara Criminal Federal, é conduzida pelo magistrado paranaense, que vem se destacando como um dos maiores símbolos brasileiros no combate à corrupção, senão, o maior da atualidade.

Prosseguimento do trabalho de perícia na Lava Jato

Nesta quinta-feira (15), a defesa do ex-presidente Lula obteve uma nova derrota na Justiça Federal do Paraná, conduzida por Moro. O juiz federal rejeitou o pedido dos advogados lulistas que haviam requisitado que fosse suspenso todo um trabalho pericial que se encontra em andamento, em relação ao sistema eletrônico de distribuição de propinas na empreiteira Odebrecht.

Vale lembrar que a Polícia Federal está realizando toda a vistoria no sistema 'Drousys" que se utilizou do software "MyWebDay", desenvolvido com o propósito de se fazer o gerenciamento da contabilidade paralela por meio da empreiteira supra-citada. A perícia realizada pela Polícia Federal se refere à ação penal que investiga suposta propina dirigida ao ex-presidente Lula, proveniente do grupo Odebrecht, om recursos ilícitos oriundos da maior estatal brasileira; a Petrobras.

Entretanto, um dos principais advogados de defesa do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins, solicitou ao juiz Sérgio Moro, que fosse barrada a perícia realizada no sistema de computadores da Construtora Odebrecht. No pedido feito pela defesa de Lula, a perícia deveria ser barrada até que o Ministério Público Federal prestasse todos os esclarecimentos a respeito do software "Mywebday". De acordo com a defesa do ex-mandatário petista, haveria suspeitas de que o software poderia ter sido fraudado ou manipulado no sistema de computadores da empreiteira.

A resposta do juiz Sérgio Moro foi, de todo modo, categórico e contundente, ao relatar em sua decisão proferida sobre a solicitação da defesa de Lula, de que a perícia havia sido solicitada exatamente em decorrência de questionamentos formulados pela defesa do ex-presidente, em relação à autenticidade dos documentos apresentados que foram extraídos do sistema e juntados aos autos do processo respectivo. O magistrado foi ainda mais longe, ao afirmar que a pretensão da defesa em se tratando da suspensão do trabalho pericial por suspeita de fraude não faz o menor sentido, segundo a decisão proferida pelo juiz Sérgio Moro.