Michel Temer [VIDEO] já indicava uma aproximação maior com o Exército Brasileiro desde a definição de uma intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro e a escolha por um interventor militar. Após a definição, a avaliação de muitos, inclusive do ex-presidente Lula, era a de que Temer queria abocanhar uma parcela dos eleitores de Bolsonaro. Neste domingo (26), o chefe do Planalto deu mais uma sinalização de aproximação com as forças armadas.

Segundo o "Estadão, Michel Temer escolheu Raul Jungmann para ocupar a chefia do Ministério da Segurança Pública, que será oficializado em breve. Jungmann já era ministro de Temer e ocupava a pasta da Defesa.

Em seu lugar, Temer escolheu o general Joaquim Silva e Luna.

A publicação afirma que a definição foi feita em uma reunião no domingo no Palácio do Jaburu que contou com a presença de Jungmann, alguns ministros palacianos e o vice-líder do governo na Câmara [VIDEO], Darcisio Perondi (MDB-RS). O anúncio oficial deve ser feito ainda nesta segunda-feira (26).

A criação do novo ministério e alçar ao cargo de ministro um general foram mais duas sinalizações de Michel Temer na tentativa de mudar o discurso econômico, que não deu certo, para um mais voltado à segurança pública.