Nesta semana, um evento inédito no Brasil chamou a atenção da mídia. [VIDEO] Uma intervenção militar começou a tomar conta da segurança pública no estado. A segurança da região agora está a cargo das Forças Armadas. A relação das pessoas com os agentes da lei mudou. Em comunidades, por exemplo, somente entra e sai quem mostra a identificação.

As barricadas das favelas, que antes serviam para impedir a entrada de policias [VIDEO], a fim de não atrapalhar a venda de drogas, agora foram derrubadas. No entanto, toda a ação gera uma preocupação. Afinal, existe a possibilidade de um novo golpe militar no Brasil? O presidente Michel Temer, do MDB, deu informações a respeito do tema.

Michel Temer dá detalhes sobre intervenção militar e nega golpe das Forças Armadas

Segundo Temer, apesar das Forças Armadas mostrarem força na atuação do Rio de Janeiro, não existe, de acordo com o presidente da república, uma forma e um clima interno no Exército para que haja um novo golpe militar no Brasil. A afirmação foi feita a José Luiz Datena, no programa 90 Minutos, da Rádio Bandeirantes, nesta sexta-feira (23).

Não é a primeira vez que esse tipo de especulação ganha o território nacional. Em 2016, por exemplo, durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), essa possibilidade chegou a ser apontada pela imprensa. No entanto, na ocasião, as próprias Forças Armadas fizeram questão de negar qualquer possibilidade a respeito do fato.

Michel Temer comenta possível golpe militar em meio à intervenção no Rio de Janeiro

O peemedebista garante ainda que, antes de executar o plano de missão militar no Rio de Janeiro, houve todo um planejamento. Além disso, apesar da palavra intervenção, ele nega que isso tenha sido forçado, mas, sim, é uma maneira de cooperação entre os governos, como o estadual.

O governador, Luiz Fernando Pezão (MDB), por exemplo, aceitou os termos e as condições diante de tudo o que houve.

Michel Temer anuncia Ministério da Segurança Pública

O presidente ainda informa que, em breve, será criado o Ministério da Segurança Pública. A pasta deve acabar com o secretariado atual no Rio de Janeiro e estará localizada a cargo do próprio governo federal. Além disso, a nova pasta criará uma espécie de guarda permanente para cuidar da região.

Os crimes que acontecem na região estão marcando a todos. O peemedebista, no entanto, agora tenta ajudar Pezão na missão de livrar o Rio de Janeiro da criminalidade. Algo parecido ocorreu nos jogos Olímpicos, quando o estado teve grande segurança.