O presidente Michel Temer, aposentado no ano de 1999, aos 55 anos, como ex-servidor público do Governo paulista, teve seu vencimento suspenso pela São Paulo Previdência (SPPrev). É órgão responsável pela administração do pagamento relativo as pensões e aposentadorias do governo do estado de São Paulo.

O peemedebista acabou ficando sem conseguir receber sua aposentadoria no valor de 45 mil reais nos meses de novembro e dezembro do ano passado.

O motivo foi que ele não compareceu dentro do prazo estabelecido para fazer a prova de vida exigida pelo governo para continuar a receber a aposentadoria normalmente.

Por não ter cumprido a exigência, acabou sendo automaticamente enquadrado na regra que determina que toda e qualquer pessoa que seja pensionista ou aposentada que não se apresentasse a um dos postos de atendimento ou uma das agências do Banco do Brasil para prova de vida anual, que acontece no mês que o beneficiário faz aniversario, teria automaticamente a remuneração suspensa até que prove ao SPPrev que está vivo.

Michel Temer deveria ter comparecido a agência durante o mês de se setembro. O porta-voz da Presidência da República informou que o presidente não compareceu ao recadastramento devido aos vários compromissos e problemas de saúde surgidos nos últimos meses que o deixaram sem tempo de resolver este assunto de cunho pessoal.

Esclarecendo também que, assim que o presidente tomou conhecimento da situação, procurou regularizar a pendência junto ao órgão responsável pelo pagamento das aposentadorias do governo paulista.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Michel Temer

Porém como já compareceu a uma agência do Banco do Brasil, conforme exige a regra de prova de vida, o presidente voltou a receber normalmente sua aposentadoria referente ao cargo de ex-procurador do estado de São Paulo.

O peemedebista teve o valor do seu beneficio alterado desde outubro de 2017, de 45 mil para 22 mil reais. O rendimento mensal de Michel Temer foi reduzido para que o salário do presidente se enquadrasse no teto constitucional, o que já havia ocorrido com o vencimento que recebe no cargo de presidente, que para se ajustar ao teto e cortar privilégios, passou de 30 mil brutos para 3 mil e 800 reais.

Segundo informações da São Paulo Previdência, a situação de Michel Temer já se regularizou porque, assim que o beneficiário comprova que está vivo, volta a receber sua remuneração regularmente, inclusive os atrasados.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo