O presidente Michel Temer, aposentado no ano de 1999, aos 55 anos, como ex-servidor público do Governo paulista, teve seu vencimento suspenso pela São Paulo Previdência (SPPrev). É órgão responsável pela administração do pagamento relativo as pensões e aposentadorias do governo do estado de São Paulo.

O peemedebista acabou ficando sem conseguir receber sua aposentadoria no valor de 45 mil reais nos meses de novembro e dezembro do ano passado. O motivo foi que ele não compareceu dentro do prazo estabelecido para fazer a prova de vida exigida pelo governo para continuar a receber a aposentadoria normalmente.

Por não ter cumprido a exigência, acabou sendo automaticamente enquadrado na regra que determina que toda e qualquer pessoa que seja pensionista ou aposentada que não se apresentasse a um dos postos de atendimento ou uma das agências do Banco do Brasil para prova de vida anual, que acontece no mês que o beneficiário faz aniversario, teria automaticamente a remuneração suspensa até que prove ao SPPrev que está vivo.

Michel Temer deveria ter comparecido a agência durante o mês de se setembro. O porta-voz da Presidência da República informou que o presidente não compareceu ao recadastramento devido aos vários compromissos e problemas de saúde surgidos nos últimos meses que o deixaram sem tempo de resolver este assunto de cunho pessoal.

Esclarecendo também que, assim que o presidente tomou conhecimento da situação, procurou regularizar a pendência junto ao órgão responsável pelo pagamento das aposentadorias do governo paulista. Porém como já compareceu a uma agência do Banco do Brasil, conforme exige a regra de prova de vida, o presidente voltou a receber normalmente sua aposentadoria referente ao cargo de ex-procurador do estado de São Paulo.

O peemedebista [VIDEO]teve o valor do seu beneficio alterado desde outubro de 2017, de 45 mil para 22 mil reais.

Os melhores vídeos do dia

O rendimento mensal de Michel Temer foi reduzido para que o salário do presidente se enquadrasse no teto constitucional, o que já havia ocorrido com o vencimento que recebe no cargo de presidente, que para se ajustar ao teto e cortar privilégios, passou de 30 mil brutos para 3 mil e 800 reais.

Segundo informações da São Paulo Previdência, a situação de Michel Temer já se regularizou porque, assim que o beneficiário comprova que está vivo, volta a receber sua remuneração regularmente, inclusive os atrasados.