Luciana Temer, a filha mais velha do presidente Michel Temer, foge totalmente dos paradigmas normais, ao declarar abertamente, em uma entrevista, que defende a legalização [VIDEO] do aborto, da prostituição e das drogas.

Quem é Luciana Temer

Em Osasco foi delegada de defesa da mulher A primogênita do presidente, de, 48 anos, confessa ter grande admiração por Fernando Haddad, e foi secretária de assistência social da durante a sua gestão como prefeito da cidade de São Paulo, e já trabalhou também com Geraldo Alckmin, [VIDEO] governador do estado de São Paulo, e m Osasco foi delegada de defesa da mulher.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Michel Temer

hoje trabalha como professora de direitos constitucionais da Uninove e da PUC-SP, além de presidir o Instituto Liberta, que foi criado por Elie Horn, que é um filantropo de combate à exploração sexual de adolescentes e crianças.

Luciana Temer, a filha mais velha do presidente Michel Temer, foge totalmente dos paradigmas normais ao declarar abertamente, em uma entrevista, que defende a legalização [VIDEO] do aborto, da prostituição e das drogas.

Em Osasco foi delegada de defesa da mulher A primogênita do presidente, de 48 anos, confessa ter grande admiração por Fernando Haddad (PT) e foi secretária de assistência social da durante a gestão dele prefeito da cidade de São Paulo. Já trabalhou também com Geraldo Alckmin (PSDB), [VIDEO] governador do estado de São Paulo.

Em Osasco foi delegada de Defesa da Mulher. Hoje trabalha como professora de direitos constitucionais da Uninove e da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), além de presidir o Instituto Liberta, que foi criado por Elie Horn, que é um filantropo de combate à exploração sexual de adolescentes e crianças.

Uma visão diante da crise

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, reproduzida pela revista Exame, Luciana Temer disse que nos dias atuais, as pessoas se sentem à vontade para se expressar, em especial nas redes sociais, traduzindo aquilo que até pouco tempo elas não teriam coragem de dizer, ficando clara uma maior liberdade de expressão, sendo essa é uma tendência mundial.

Para ela, no Brasil existe uma crise política absolutamente acirrada, a corrupção, para a qual, se supõe, o povo brasileiro acordou, mas acontece que a corrupção não está centrada somente na política e nas instituições. Luciana afirma que é preciso mudar, também, o conceito agressivo e radical de um é bom e o outro é mau.

Sobre as notícias ruins que envolvem o nome do seu pai

Luciana Temer confessou que é muito difícil e muito triste ver o nome do seu pai sendo jogado na lama e que, quando a Rede Globo divulgou pela primeira vez a existência um áudio onde Michel Temer instruía Joesley Batista a subornar Eduardo Cunha para que ficasse calado, ouviu pelo rádio a notícia, pois estava na rua.

Em casa, disse aos seus filhos que não acreditava no que estava acontecendo, afirmando-lhes que ainda não havia escutado o áudio, mas que, em se tratando de seu pai, a quem conhece a quase 50 anos, se ele realmente tivesse dito tais coisas, ela seria capaz de cortar seus dois braços, pois acredita que em tempo algum seu pai diria tais frases.

A profecia de Lindbergh Farias

Nos dias em que vazou a gravação das conversas de Michel Temer com Joesley Batista, em junho de 2017, Lindbergh Farias, senador paraibano pelo PT-RJ (Partido dos Trabalhadores do Rio de Janeiro), dirigindo-se ao presidente do senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), suspendesse as votações na casa, para que os senadores pudessem debater a crise política.

O senador paraibano, que insiste na tese de golpe parlamentar no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), argumentou que um dos condutores dos processos estava afastado do mandato, outro preso e o presidente da República, Michel Temer, denunciado por corrupção ao TSE (Supremo Tribunal Federal). Para ele, portanto, não seria possível dar “ares de normalidade” à situação vivida pelo país.

Lindbergh afirmou ainda que qualquer político que se levantasse para defender Temer “nunca mais conseguiria se eleger a nada”.