Luciana Temer, a filha mais velha do presidente Michel Temer, foge totalmente dos paradigmas normais, ao declarar abertamente, em uma entrevista, que defende a legalização do aborto, da prostituição e das drogas.

Quem é Luciana Temer

Em Osasco foi delegada de defesa da mulher A primogênita do presidente, de, 48 anos, confessa ter grande admiração por Fernando Haddad, e foi secretária de assistência social da durante a sua gestão como prefeito da cidade de São Paulo, e já trabalhou também com Geraldo Alckmin, governador do estado de São Paulo, e m Osasco foi delegada de defesa da mulher. hoje trabalha como professora de direitos constitucionais da Uninove e da PUC-SP, além de presidir o Instituto Liberta, que foi criado por Elie Horn, que é um filantropo de combate à exploração sexual de adolescentes e crianças.

Luciana Temer, a filha mais velha do presidente Michel Temer, foge totalmente dos paradigmas normais ao declarar abertamente, em uma entrevista, que defende a legalização do aborto, da prostituição e das drogas.

Em Osasco foi delegada de defesa da mulher A primogênita do presidente, de 48 anos, confessa ter grande admiração por Fernando Haddad (PT) e foi secretária de assistência social da durante a gestão dele prefeito da cidade de São Paulo. Já trabalhou também com Geraldo Alckmin (PSDB), governador do estado de São Paulo.

Em Osasco foi delegada de Defesa da Mulher. Hoje trabalha como professora de direitos constitucionais da Uninove e da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), além de presidir o Instituto Liberta, que foi criado por Elie Horn, que é um filantropo de combate à exploração sexual de adolescentes e crianças.

Uma visão diante da crise

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, reproduzida pela revista Exame, Luciana Temer disse que nos dias atuais, as pessoas se sentem à vontade para se expressar, em especial nas redes sociais, traduzindo aquilo que até pouco tempo elas não teriam coragem de dizer, ficando clara uma maior liberdade de expressão, sendo essa é uma tendência mundial.

Para ela, no Brasil existe uma crise política absolutamente acirrada, a corrupção, para a qual, se supõe, o povo brasileiro acordou, mas acontece que a corrupção não está centrada somente na política e nas instituições. Luciana afirma que é preciso mudar, também, o conceito agressivo e radical de um é bom e o outro é mau.

Sobre as notícias ruins que envolvem o nome do seu pai

Luciana Temer confessou que é muito difícil e muito triste ver o nome do seu pai sendo jogado na lama e que, quando a Rede Globo divulgou pela primeira vez a existência um áudio onde Michel Temer instruía Joesley Batista a subornar Eduardo Cunha para que ficasse calado, ouviu pelo rádio a notícia, pois estava na rua.

Em casa, disse aos seus filhos que não acreditava no que estava acontecendo, afirmando-lhes que ainda não havia escutado o áudio, mas que, em se tratando de seu pai, a quem conhece a quase 50 anos, se ele realmente tivesse dito tais coisas, ela seria capaz de cortar seus dois braços, pois acredita que em tempo algum seu pai diria tais frases.

A profecia de Lindbergh Farias

Nos dias em que vazou a gravação das conversas de Michel Temer com Joesley Batista, em junho de 2017, Lindbergh Farias, senador paraibano pelo PT-RJ (Partido dos Trabalhadores do Rio de Janeiro), dirigindo-se ao presidente do senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), suspendesse as votações na casa, para que os senadores pudessem debater a crise política.

O senador paraibano, que insiste na tese de golpe parlamentar no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), argumentou que um dos condutores dos processos estava afastado do mandato, outro preso e o presidente da República, Michel Temer, denunciado por corrupção ao TSE (Supremo Tribunal Federal). Para ele, portanto, não seria possível dar “ares de normalidade” à situação vivida pelo país.

Lindbergh afirmou ainda que qualquer político que se levantasse para defender Temer “nunca mais conseguiria se eleger a nada”.

Não perca a nossa página no Facebook!