Após a decisão do novo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, de substituir o ex-diretor-geral [VIDEO] da Polícia Federal (PF), Fernando Segovia, o presidente Michel Temer (MDB) afirmou que a mudança no comando da instituição não irá afetar as investigações da Operação Lava Jato [VIDEO]. O antigo cargo de Segovia será ocupado agora por Rogério Galorro, ex-diretor executivo da PF.

Em entrevista à jornalistas, Temer disse que não há “um movimento sequer” no sentido de interromper a Lava Jato. Segundo o presidente, “segurança pública é combater a criminalidade”. Citando exemplos, Temer afirmou que o novo Ministério irá focar no combate a ações como “tráfico de drogas” e o que chamou de “bandidagem em geral”, colocando a corrupção como um desses delitos a serem combatidos pela nova pasta.

Em sua conta na rede social Twitter, Temer divulgou um vídeo sobre a posse de Raul Jungmann no novo Ministério Extraordinário da Segurança Pública, afirmando que o Governo quer agir em todo o país enquanto atua também no Rio de Janeiro, onde a intervenção federal na segurança foi decretada.

“Nossos esforços na segurança pública não ficarão restritos ao Rio de Janeiro. A segurança hoje é algo solicitado em todo o País”, postou o presidente junto ao vídeo.

Nesta quarta-feira, dia 28, Temer irá realizar uma cerimônia no Palácio do Planalto onde serão anunciados investimentos para a formação de professores pelo Brasil.