Uma grande revolta está tomando conta das casernas [VIDEO] após militares analisarem um vídeo divulgado sobre a Reforma da Previdência. A raiva surgiu porque o vídeo traz uma mensagem do general Sérgio Etchegoyeng, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do Governo do presidente Michel Temer, sobre a sua defesa da Reforma da Previdência, classificando-a como um ato de coragem do governo para ajudar o futuro do Brasil.

O grande temor dos militares é que as novas regras da Reforma acabem alterando as suas aposentadorias e isso seria prejudicial a eles.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Governo

Uma forma de comunicação entre os militares é através de grupos de WhatsApp. Eles comentam, criticam e falam tudo o que pensam sobre os desígnios do governo na tentativa de aprovação da Reforma.

Nas conversas entre eles, o general Sérgio Etchegoyeng é visto como um "traidor" tanto pela alta cúpula dos quartéis quanto por aqueles de categorias inferiores.

Alguns oficiais acreditam que Etchegoyeng tentará sair para disputar as eleições deste ano e, se isso for mesmo acontecer, os militares [VIDEO] lembrarão de tudo o que general está fazendo agora. A revolta e o ódio é grande.

Tensão

Os militares também não estão nem um pouco satisfeitos em terem que estar em Roraima realizando missões que não competem às Forças Armadas.

A revolta deles aumentou depois que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também enviou um manifesto ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo para que seja reaberto o caso da morte do deputado Rubens Paiva, que foi torturado e morto por militares.

O Exército enxerga esse assunto como algo que já passou e foi uma ação suspensa pela Corte.

Voltar a essa polêmica seria criar uma instabilidade num país que já está vivendo climas tensos.

Michel Temer

Militares não gostaram da entrevista dada pelo presidente Michel Temer ao lado da governadora Suely Campos. Eles viram interesses políticos de cada um no caso sérios dos venezuelanos que vêm para o Brasil. De acordo com os oficiais, o problema não seria apenas em reforçar as fronteiras, mas sim em buscar uma vida social mais digna para as pessoas.

O governo de Temer decidiu contratar médicos venezuelanos para ajudar os refugiados aqui no Brasil. Porém, a situação ainda é muita preocupante. As pessoas vêm sem nenhuma estrutura, passando fome e sem remédios.

O general Sérgio Etchegoyeng comentou que todas as estruturas do Estado estão voltadas para uma situação de normalidade.