Nesta última quarta-feira, 14 de março, o advogado do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence, esteve frente a frente com a ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia.

O objetivo da trupe de advogados é pressionar a ministra e fazer com que ela ceda e coloque em pauta a análise de prisões após condenação em segunda instância. Em tentativas para livrar Lula da prisão, os advogados fazem de tudo para ajudar o petista réu em diversos processos e condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4° Região a 12 anos e um mês de cadeia.

Durante a conversa particular, Cármen recebeu Sepúlveda, que também já foi ministro no STF.

Após a conversa [VIDEO], o advogado de Lula não quis muito papo com a imprensa, mas deixou claro que Cármen Lúcia reafirmou sua decisão: a ministra disse, novamente, que não irá pautar o habeas corpus preventivo impetrado pela defesa de Lula no STF. A tentativa de Sepúlveda foi em vão.

Ao que tudo indica, Cármen não cedeu as pressões. Recentemente, a ministra do Supremo está sendo pressionada de diversas formas, tanto por advogados quanto pelos seus próprios colegas da Corte. As tentativas são para fazer com que Cármen Lúcia coloque em pauta o habeas corpus preventivo de Lula e também que coloque em discussão, novamente, as prisões após condenação em segunda instância.

Por Lula ter sido condenado pelos desembargadores do TRF-4, sua prisão está próxima de acontecer. Com isso, a defesa busca agir às pressas.

Sepúlveda Pertence fez mais uma tentativa com Cármen, mas como não foi suficiente, o advogado disse à imprensa que providenciará, o mais rápido possível, outras medidas para o julgamento do recurso.

Acusação do PT contra a presidente do Supremo

Nesta quarta-feira (14), Cármen Lúcia foi surpreendida com uma informação dada pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Por essa postura contrária aos interesses de Lula, petistas ficaram revoltados e tentam prejudicar a reputação da magistrada.

Em uma publicação na rede social oficial do PT, foi divulgada a informação de que Cármen Lúcia [VIDEO]é dona de um imóvel que pertenceu ao doleiro Fayed Traboulsi, um dos investigados pela Operação Lava Jato. Os petistas disseram que Cármen comprou o imóvel do doleiro.

Em resposta, a presidente do Supremo afirmou que esta seria uma tentativa de coação e sordidez. A publicação cita que o imóvel vale R$ 1,7 milhão e está localizado em Brasília.