O juiz federal Sérgio Moro participou de um evento em Nova York, nesta sexta-feira (02) e falou sobre os casos de corrupção que são investigados pela Operação Lava Jato. Ao falar sobre o Supremo Tribunal Federal (STF), o juiz da Lava Jato foi bem firme em suas indagações e criticou um possível novo entendimento da Corte em relação a prisão após a condenação em segunda instância. Mesmo sem citar o nome da ministra Cármen Lúcia [VIDEO], ele demonstrou apoio e forças e sabe o quanto ela está sendo pressionada por seus colegas de tribunal para por esse assunto na pauta do STF.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Sergio Moro

Com as declarações de Sérgio Moro, nos Estados Unidos, ministros da Corte que estavam pressionando Cármen podem ver o "jogo virar" e serem eles, os pressionados.

A Corte brasileira [VIDEO] ficou em evidência e muitos estão de olho nas próximas ações dos ministros. Vale ressaltar que a Lava Jato é bem vista no mundo e se tornou exemplo de combate à corrupção.

Moro declarou que a corrupção sempre vai existir, mas que a Justiça já deu uma forte resposta contra os criminosos. Segundo o juiz, as Cortes terão muito trabalho pela frente e os mecanismos utilizados já mostraram eficiência no combate à corrupção.

O juiz criticou o foro privilegiado que concede benefícios especiais a políticos e os livra de serem julgados pelas primeiras instâncias. Num recado ao STF, o juiz lembrou que quase todos os que não possuem foro já foram julgados. A lentidão do STF favorece esse tipo de impunidade.

O magistrado também alertou aos ministros da Corte para o perigo de mudarem o entendimento sobre o cumprimento da prisão após sentença da segunda instância.

A sociedade deve continuar apoiando e pressionando para que as instituições continuem a combater as irregularidades.

Moro lembrou das palavras do ministro Luis Roberto Barroso sobre a tragédia que seria uma mudança de entendimento da Corte sobre esse assunto.

A força da ministra

Cármen Lúcia já afirmou que não vai "apequenar" o Supremo por casos específicos e com isso, ela está mantendo a sua palavra no caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A ministra já avisou que o habeas corpus de Lula não estará na pauta e deixou furiosos os defensores do petista.

Ataques de Lula

Lula proferiu vários ataques contra Moro durante sua entrevista à Folha de São Paulo. Porém, nada intimidou o juiz. Questionado por jornalistas sobre as insinuações feitas pelo petista, Moro apenas respondeu que não comentava entrevista de gente processada.