A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, se recusou a pautar o habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e abriu caminhos para que o juiz federal Sérgio Moro [VIDEO] proferisse a execução provisória da pena do petista.

Mesmo pressionada pelos petistas, por advogados e por seus próprios colegas da Corte, Cármen não mudou de opinião e manteve a sua convicção de que o Supremo é maior do que um caso específico de alguém condenado pela Justiça.

Conforme informações do jornalista Merval Pereira, a decisão final sobre o recurso do ex-presidente deve ser tomada na primeira quinzena do mês de março.

Após os desembargadores confirmarem a condenação, o Tribunal Regional Federal da 4° Região (TRF-4) passará a Moro os próximos passos. O juiz paranaense já poderá decretar a execução provisória de Lula e o presídio de Curitiba receberá o condenado.

Na reta final da esperança petista, Cármen Lúcia foi decisiva para a derrota da defesa de Lula. Conforme informações da imprensa, ela caminhou junto com os propósitos da maioria da sociedade. Uma tentativa de livrar Lula da prisão poderia destruir toda a imagem da Corte. Ela enfrentou os perigos e confrontou com seus colegas de tribunal.

Prisão de Lula

Informações da Polícia Federal (PF) acabaram vazando e a revista Veja descobriu detalhes da possível prisão de Lula. O plano está montado.

Lula seria preso na cidade de São Bernardo do Campo, porém, há a possibilidade de um acordo com os seus advogados e ele se entregar em outra localidade.

Do aeroporto de Congonhas, Lula iria direto a Curitiba e a PF sugeriu cinco lugares para o ex-presidente ficar. Dois deles chamaram a atenção. Um é no quartel do Exército em Curitiba e outro na base aérea, que fica próximo da Superintendência da Polícia Federal. Esses dois lugares possuem as vantagens de serem mais seguros para o petista e mais distante de possíveis manifestações contra a sua prisão, já que o local fica distante dos populares.

Lula permaneceria 30 dias isolado para que uma análise do seu comportamento fosse feita.

Lei da Ficha Limpa

O ex-presidente também está praticamente fora das próximas eleições. O STF [VIDEO] decidiu ampliar a Lei da Ficha Limpa que impede candidaturas de condenados em segundo grau.

A maioria dos ministros da Corte confirmaram que a Lei deve valer para todos que foram condenados por abuso de poder, político e econômico, até mesmo aqueles crimes cometidos antes de 2010.