O pré-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) afirma abertamente que é contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mesmo sabendo que a liberdade do petista dificultaria seus planos de chegar ao segundo turno ou até mesmo vencer as eleições.

Para ele, é muito grave prender Lula [VIDEO] na metade do julgamento. "E se amanhã for absolvido?", questiona o pededista sobre quem arcará com os danos pessoais e políticos sofridos pelo ex-presidente, do qual ele foi um dos ministros e importante aliado.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Jair Bolsonaro

Em janeiro, Lula foi condenado a 12 anos e um mês de de prisão pelo TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em segunda instância. O petista é acusado de favorecer a empreiteira OAS em alguns contratos com a Petrobras, recebendo em troca o famoso apartamento tríplex localizado no Guarujá, litoral paulista.

Lula corre o risco de ser preso porque, a partir de outubro de 2016, o STF (Supremo Tribunal Federal) vem defendendo que réus que foram condenados em segunda instância já deverão ter suas penas aplicadas. Para Ciro Gomes, no atual contexto, o petista não conseguiria alavancar sua candidatura à Presidência, tudo em função da "Lei da Ficha Limpa" aprovada pelo próprio Lula. "Lei que ele mesmo fez e aprovou com apoio popular", lembra o presidenciável do PDT.

A candidatura do político cearense, que já governou seu estado, foi oficializada pelo PDT nesta quarta-feira (7), mesmo dia em que outro postulante ao cargo de presidente da República, o deputado Jair Bolsonaro [VIDEO], anunciou oficialmente seu ingresso no PSL. Ciro Gomes não vê o nome de Bolsonaro como uma ameaça, tanto que acredita que irá disputar o segundo turno com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, nome escolhido pelo PSDB para disputar a presidência da República.

Ciro Gomes conversa com o PT para aliança

Caso Lula fique mesmo fora da disputa, o PT ensaia a criação de uma frente popular de esquerda para vencer as eleições. Em janeiro, o blog do jornalista paranaense Esmael Morais informou que Ciro Gomes, depois de muito relutar, agora estaria concordando em formar uma frente com o PT com a ideia de barrar a “ditadura do judiciário”, que na opinião do grupo estaria impedindo a realização das eleições livres no Brasil.

Nesse cenário, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, poderia ser o vice de Ciro Gomes, que apesar de estar em uma situação desfavorável nas pesquisas, herdaria o império eleitoral de Lula em sua caminhada pela Presidência, podendo subir nas pesquisas e possivelmente ir ao segundo turno.