O governo se tornou alvo de inúmeras polêmicas desde que Michel Temer assumiu o comando no lugar da ex-presidente Dilma Rousseff, afastada devido a um processo de impeachment. Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista mexeram com o ânimo da população, mas não é só isso. Recentemente, Michel Temer foi incluído em um inquérito da Lava Jato, a respeito de uma investigação sobre o Decreto dos Portos.

A Procuradoria Geral da República na liderança de Raquel Dodge [VIDEO], decidiu incluir o presidente como investigado, porém não denunciado pela proteção do foro privilegiado. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, decidiu quebrar o sigilo de Temer nas investigações.

Com isso, o presidente da República terá que se dirigir no Banco Central e pedir o extrato bancário do período mencionado por Barroso, a imprensa terá acesso às informações.

O inquérito investiga pagamento de propina por Temer em um decreto sobre o setor de Portos. O inquérito se baseia na delação premiada dos dono da empresa JBS, Joesley Batista, e o ex-executivo Ricardo Saud. Ao que tudo indica, a empresa Rodrimar, que realiza operações em Santos, São Paulo, teria sido a beneficiada no ato ilegal. Além de Temer, os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco também estão sendo investigados.

Barroso pediu manifestação da procuradora Raquel Dodge sobre o caso. Dodge enfatizou ser favorável as investigações e compreendeu que Temer pode ser investigado, porém não denunciado. O ministro Edson Fachin [VIDEO] acolheu o pedido de Dodge.

No Palácio do Planalto, Michel Temer demonstrou inquietação com a postura da procuradora. O presidente analisa se entrará com uma petição no Supremo para barrar as investigações do inquérito

Urgente: vazamento perigoso

O ministro Barroso mostrou-se exaltado por concluir que houve um vazamento nas investigações algo que prejudicará a defesa de Michel Temer. Nesta terça-feira, 6 de março, Barroso decidiu a apuração do vazamento. O ministro revelou que a defesa de Temer teria conhecimento até dos números de autuação, recebendo procedimentos de investigação que são altamente sigilosos. O caso é visto como urgente e chama atenção.

Ainda não se sabe como uma pessoa poderia conseguir informações preciosas sobre o processo de Temer. Luís Roberto Barroso abriu uma investigação para descobrir quem estaria vazando documentos que estavam apenas sobre o seu comando.